23 julho 2019

Resenha: Conectadas - Clara Alves

em 23 julho 2019

11 comentários


Ser uma garota gamer não é fácil. Principalmente quando um romance está em jogo.

Raíssa e Ayla se conheceram jogando Feéricos, um dos games mais populares do momento, e não se desgrudaram mais ― pelo menos virtualmente. Ayla sente que, com Raíssa, finalmente pode ser ela mesma. Raíssa, por sua vez, encontra em Ayla uma conexão que nunca teve com ninguém. Só tem um “pequeno” problema: Raíssa joga com um avatar masculino, então Ayla não sabe que está conversando com outra menina.
Quanto mais as duas se envolvem, mais culpa Raíssa sente. Só que ela não está pronta para se assumir ― muito menos para perder a garota que ama. Então só vai levando a mentira adiante… Afinal, qual é a chance de as duas se conhecerem pessoalmente, morando em cidades diferentes? Bem alta, já que foi anunciada a primeira feira de Feéricos em São Paulo, o evento perfeito para esse encontro acontecer.
Em um fim de semana repleto de cosplays, confidências e corações partidos, será que esse romance on-line conseguirá sobreviver à vida real?



Ficha Técnica Da Obra
Páginas: 320 | Ano: 2019 | Idioma: Português | Editora: Seguinte | ISBN:  9788555340895 | Gênero: LGBT, GLS, Romance, YASkoob


Compre: AMAZON  SUBMARINO AMERICANAS 




Conectadas é um romance Young adult que traz a história da Raíssa e da Ayla, duas protagonistas não-brancas LGBT, sendo Raíssa de descendência indígena e Ayla, de descendência asiática. A história tem como plano de fundo de um jogo chamado Feéricos que as duas garotas amam, porém quando Raíssa criou sua conta foi com um nome masculino, para poder para poder fugir do machismo presente naquele jogo, se passando então por Léo, seu melhor amigo.
Mas Raíssa não esperava que fosse se aproximar tanto assim de alguém quando criou a conta se passando por Léo, e muito menos ainda sonhou em se apaixonar por Ayla, enquanto a ajudava nas missões. Só que essa mentira vai virando uma bola de neve, porque essas meninas estão cada vez  mais próximas, e com uma feira inspirada no jogo, em São Paulo, se aproximando, elas finalmente poderão se conhecer pessoalmente, alias, a Ayla irá para conhecer o Léo, e não a Raíssa. Como elas irão sair dessa confusão?

"Talvez o motivo fosse justamente a nossa relação virtual: o Leo gostou de mim antes de conhecer minha aparência, e vice-versa. Num mundo onde a aparência parecia ser a primeira coisa que todo mundo reparava, conviver com ele era revigorante."

Conectadas foi um livro que eu amei fazer a leitura, desde a primeira página eu já me envolvi com a história por que as personagens jogam um MMO RPG e eu já joguei muito jogos nesse estilo, além de ser completamente fascinada por jogos no geral, então já me identifiquei aí com as personagens. Fora que a questão do machismo sofrido pelas garotas do mundo gamer também é algo que já presenciei muito, e fica fácil entender o porque da escolha da Raíssa em criar um personagem masculino, para poder jogar em paz, sem ser assediada ou xingada a cada etapa do jogo. 

As duas protagonistas são bem diferentes uma das outra, mas se complementam de uma maneira única. Raíssa é uma garota super extrovertida, que tem um apoio incrível em casa e que fala pelos cotovelos. Apesar de saber desde pequena que gosta de garotas, ela nunca se assumiu para ninguém além de Léo, e isso acaba sempre sendo um fardo que ela carrega. Já  Ayla, possui uma vida bem mais "complicada", pois seus pais estão passando por uma crise no casamento e acabam descontando a raiva que sentem um pelo outro na filha, além de a mãe da Ayla ser super controladora, religiosa e ter mudado a filha de escola só para 'castigar' o marido, fazendo com que eles passem um aperto financeiro só por egoísmo. 

A história desse livro é muito incrível! Vamos começar pelo fato de que livros que tem um plano de fundo de Convenção sempre são maravilhosos, pois é muito bacana ver outras pessoas tão fãs de alguma coisa (no caso aqui de um jogo) se reunindo para falar do que amam. Eu juro que sempre que leio histórias assim fico lembrando da Bienal e em como esse tipo de evento é mágico.  Além dessa vibe super nerd, há a questão das meninas terem cultivado uma amizade verdadeira e saudável a partir de um jogo, e mesmo com a Raíssa se passando por Léo, a amizade é muito bacana pois elas se ajudam nos momentos difíceis, assistem filmes 'juntas' para se fazerem companhia, riem, fazem piadas... É muito bacana ver algo tão especial assim surgir de um lugar onde elas buscam fugir daquela realidade triste que vivem, é como se ali elas pudesse ser elas mesmas (ou quase).

A autora trata de temas como sexualidade, dramas familiares  de maneira muito simples e delicada, a questão da sexualidade mesmo ela é muito natural o jeito que a Clara escreve, pois ela mostra que o amor é bonito e independente do que você gosta, de quem você gosta. Ela também mostra como é difícil sim ser aceito quando você é "diferente", mas que quando você tem um sistema de apoio para te ajudar, tudo se torna menos pesado.

Uma das mensagens mais bacanas que a autora traz com certeza é sobre sermos verdadeiros conosco, e é uma coisa que eu gosto bastante, porque as personagens mostram o tempo todo que se a gente não for que a gente deseja ser, sem se importar com as expectativas das outras pessoas, nunca vamos conseguir ser felizes. Viveremos sempre cercados de sentimentos ruins, de uma pressão para fazer o outro feliz, quando a pessoa mais importante da nossa vida deveria ser nós mesmos. É uma mensagem muito simples, mas que é necessária ser lembrada a todo momento, pois as vezes nos sabotamos sem perceber, e vivemos infelizes.

“Não importa se as pessoas vão se decepcionar. Se você não for verdadeira consigo mesma, a vida perde o sentido.”

Mesmo o livro tendo temas tão importantes como sexualidade, a questão de como o relacionamento dos pais influenciam na nossa vida, a autora trata deles de uma maneira muito simples e leve, mostrando que dá para falar de temas importantes em um YA sem deixar a história pesada demais,  continuando com esse clima leve e fofo. 

Esse é o livro mais fofo que li recentemente, sério! Eu amo histórias que envolvam o mundo nerd com convenções, não é atoa que Cinder & Ella e Rainhas Geek são meus livros favoritos da vida, e agora Conectadas acabou de entrar pra essa listinha, trazendo uma convenção de um jogo super nerd e que eu queria que existisse pra jogar também! Haha! 

As personagens pra mim foram incríveis, eu queria abraça-las e não soltar nunca mais, porque sinceramente meu termômetro de fofura explodiu lendo esse livro! O livro é um compilado de tudo que é bom: representatividade, uma boa história de fundo, um pouco de drama e de cenas engraçadas, um papo sobre sexualidade e também sobre a importância de sermos sempre nós mesmos, sem nos importar com aparências.

O livro entrou para meus favoritos, e duvido que quando vocês lerem também não entre para os de vocês.



11 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Não conhecia esse livro ainda, e nunca li uma obra com a temática LGBT, mas fiquei bem curiosa para ler "Conectadas", principalmente por parecer ser uma leitura tão divertida e fofa. Adorei a dica!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Eu tinha ouvido falar por alto do livro, por isso adorei conferir a resenha, e ver que será uma história que quero MUITO ler. Achei mega inovador e interessante, além de trazer assuntos importantes para ser debatido. Mais que anotado! Espero poder amar e me identificar com o enredo.
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. A ideia de ter uma protagonista geek me atraiu =)
    Parece ser um romance bem interessante e leve, com assuntos importantes.
    Dica mais do que anotada

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  4. Ah, que história mais gracinha! Fiquei morrendo de vontade de ler, ainda mais depois que vi que vai ter uma convenção no meio. Amei a indicação!
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  5. Oi Aline.

    Parece que você amou demais a leitura, confesso que sua opinião conseguiu me deixar bem empolgada pela história. Vou adicionar na minha lista de desejados, pois não conhecia este livro e foi através da sua opinião que estou conhecendo. Obrigada pela dica.

    Bjos
    https://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi, Aline.
    Já tinha visto esse livro por aí, mas não acho que ele seja o tipo de leitura capaz de me agradar. Não tenho visto mais graça em histórias jovem-adulto... Uma pena, porque era um tipo de livro que eu amava... Mas agora já não vejo mais sentido!
    Que legal que você amou!
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Não conhecia esse livro, pela sua resenha deu para perceber que o enredo é fabuloso envolvendo problemas familiares e sexualidade. Nossa quero muito ler, dica anotada. Parabéns pela resenha com sua empolgação fiquei curiosa para ver se as personagens vão se encontrar e em como será esse encontro, bjs!

    ResponderExcluir
  8. Oie, tudo bem? Que enredo mais divertido. Faz bastante tempo que não leio nenhum livro que envolva o universo dos games. Apesar de gostar muito de jogar Super Mario, Need for speed faz tempo que não pego num controle nem jogo no computador haha É comum criarmos nick diferente onde não é possível identificar se é garoto ou garota. Mas num caso desses precisamos dizer a verdade não é mesmo? Gostei bastante da resenha. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  9. Olá!!!
    Eu posso dizer que o livro me ganhou quando envolveu esse mundinho de games e porque me lembra do tempo em que jogar para mim também era uma coisa muito gostosa e maravilhosa.
    Eu achei a história de uma fofura e como traz temas que são necessários, pois sim precisamos tirar esse preconceitos e fora que nos tempos de hoje ainda é chato você gostar de games e os outros acharem que só porque é mulher não pode. Aff ¬¬'
    Adorei a ressenha e livro adicionado na lista já ;)

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Olá,
    estou fazendo essa leitura e está sendo uma experiência interessante. Diferente de você o mundo geek não me empolga tanto, pra falar a verdade até me desanima um pouco. Não sou fã de jogos nem nada do tipo e por isso, o assunto não mexe comigo de forma positiva, mesmo assim, não posso negar que a autora possui uma escrita maravilhosa e que as personagens são cativantes, o que facilita acompanhar suas histórias. Os dramas abordados, são bem relevantes, e de modo geral está sendo uma boa leitura.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  11. Oi Sabrina, como está?
    Não conhecia esse livro e sendo bem sincera, tanto o mundo geek quanto o nerd tem deixado MUITO a desejar nos últimos tempos por conta das polêmicas.
    Mas achei a premissa do livro extremamente promissora e com certeza talvez ele sirva para quem sabe mudar essa realidade.
    Abraços e beijos, Lady Trotsky...
    http://osvampirosportenhos.blogspot.com

    ResponderExcluir

TOPO