22 maio 2019

Resenha: Se a Rua Beale falasse - James Baldwin

em 22 maio 2019

16 comentários

Lançado em 1974, o quinto romance de James Baldwin narra os esforços de Tish para provar a inocência de Fonny, seu noivo, preso injustamente. Livro que inspirou o filme dirigido por Barry Jenkins, vencedor do Oscar por Moonlight.
Tish tem dezenove anos quando descobre que está grávida de Fonny, de 22. A sólida história de amor dos dois é interrompida bruscamente quando o rapaz é acusado de ter estuprado uma porto-riquenha, embora não haja nenhuma prova que o incrimine. Convicta da honestidade do noivo, Tish mobiliza sua família e advogados na tentativa de libertá-lo da prisão.
Se a rua Beale falasse é um romance comovente que tem o Harlem da década de 1970 como pano de fundo. Ao revelar as incertezas do futuro, a trama joga luz sobre o desespero, a tristeza e a esperança trazidos a reboque de uma sentença anunciada em um país onde a discriminação racial está profundamente arraigada no cotidiano.

                                             Ficha Técnica Da Obra
Páginas: 224 | Ano: 2019 | Idioma: Português | Editora: Companhia das Letras | ISBN: 9788535931945 | Gênero: Literatura estrangeira, ficção| Skoob | Livro gentilmente cedido em parceria com a editora

                                 Compre: ♥AMAZONSUBMARINOAMERICANAS

                                     

Eu tinha certeza de que o policial ia matar o Fonny, mas ele não podia matá-lo se eu ficasse entre os dois.

Um negro de 22 anos, escultor, é preso e acusado de um crime - estupro de uma mulher porto-riquenha - que não cometeu. O único negro no reconhecimento feito pela polícia, ele é identificado pela mulher perturbada e confusa, cujo testemunho é em parte moldado por um policial branco. Fonny, o escultor, é inocente, mas cabe ao acusado e sua família provar ‘e pagar para provar’ esse simples fato.

O romance avança com rapidez e suspense, mas seu movimento dinâmico é feito devagar. Baldwin subestima constantemente o horror da situação de seus personagens, a fim de apresentá-los como seres humanos a quem o desastre atingiu, e não como negros que, tipicamente, foram vitimados por brancos. A história contém muitos retratos simpáticos de pessoas brancas, especialmente o advogado branco, constantemente assediado, de Fonny, cuja posição dificilmente é melhor do que os negros que ele defende. E, em uma virada na história, a mãe de Tish viaja para Porto Rico em uma tentativa de argumentar com a mulher que acusou seu futuro genro de estupro, apenas para perceber, ali, uma pobreza e impotência mais extrema que a que sofreu os negros da cidade de Nova York.

Entretanto, há otimismos na trama. Ela enfatiza o vínculo comum entre os membros de uma minoria oprimida, especialmente entre membros de uma família, o que provavelmente não seria experimentado em tempos mais felizes. Como a sociedade se desintegra em um sentido coletivo, a menor unidade humana se tornará cada vez mais importante. Aqueles que estão sem eles, como o amigo de Fonny, Daniel, provavelmente não sobreviverão. O verdadeiro crime de Fonny é ter seu interior moldado, forte e determinado, mas este é o meio pelo qual ele sobrevive. Outros são menos afortunados.

Se a Rua Beale falasse é uma história comovente e dolorosa. É tão vividamente humano e tão obviamente baseado na realidade, que é atemporal. A história é uma celebração muito comovente e muito tradicional do amor. Afirma não apenas o amor entre um homem e uma mulher, mas o amor de um tipo raramente tratado na ficção contemporânea - entre membros de uma família, que pode envolver extremos de sacrifício.

Eu tinha medo porque, nas ruas do Village, me dava conta de estarmos totalmente sozinhos. Ninguém se importava conosco, exceto nós mesmos, quem quer que nos amasse não estava ali.

Na minha opinião, o livro é lindo. Primeiro de tudo, o gênero, romance e preconceito. Eu tenho lido muito sobre este assunto. Acho bom que as pessoas escrevam sobre ele, porque depois de ler sobre racismo sempre penso nisso. Eu simplesmente não consigo entender que pessoas discriminem outras apenas por causa da cor de sua pele. Eu acho que o que aconteceu com Fonny e sua família não poderia acontecer com ninguém.

Eu também gostei do jeito que Fonny e Tish se amavam. Você não vê isso muito e romances literários são principalmente sobre coisas que dão errado quando as pessoas se amam. Acho que não li nenhum livro com pessoas que se amavam tanto.

A escrita do livro é primorosa. Porque você lê tudo através dos olhos de Tish, você também pode ver como ela se sente, e isso foi muito bom. Assim, você pode realmente imaginar seus sentimentos e pensamentos, você a entende. Só consegui sentir muita pena dela e de Fonny.

O livro também foi fácil de ler. Não havia muitas palavras difíceis e não havia páginas chatas. Foi uma leitura rápida e fluida. Gostaria de ler mais livros de James Baldwin porque eu acho que ele é um escritor fantástico!

Mas eu estava tão cansada, lembro que mal conseguia falar. Alguma coisa estava prestes a acontecer comigo. Era o que eu sentia , sentada naquela cadeira, contemplando o céu - e incapaz de me mexer. Tudo o que podia fazer era esperar.
Até a hora da minha libertação.

16 comentários:

  1. Realmente essa história de amor pela sua descrição e muito envolvente, e consegue descrever, e passar para o leitor a forma como o preconceito e implicado no sujeito, podendo fazer com que ele seja até mesmo condenado injustamente. Quero muito ter a oportunidade de ler essa obra, e saber como termina a trama, se esse personagem vai conseguir retorna para a sua família, e como toda a trama será conduzida.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Já queria ver o filme e agora por saber que tem livro, terei que lê-lo primeiro. Gosto bastante da temática "Romance + preconceito" porque trata o amor em sua essência, de uma forma tão linda e singela né... além de conscientizar e expor fatos atuais que precisam ser tratados. Tenho sentido falta de ler livros sobre o amor familiar, sua resenha me estimulou. Adorei sua dica!

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Não conheço o livro nem o escritor… Mas acho importante que, exista este tipo de livros que trás uma mensagem forte e que ajuda-nos de certo modo, a desmitificar alguns preconceitos interiores ou mesmo nas pessoas à nossa volta.
    De qualquer forma, irei pesquisar mais sobre o livro :)
    Beijinho grande


    http://tudosoblinhas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Acho que é a primeira resenha que leio do livro e gostei :) ainda não tive oportunidade nem de assistir e nem de ler, mas gostei de saber um pouco mais da escrita do autor (sem contar os quotes lindos que você separou).

    Beijos,
    Blog PS Amo Leitura

    ResponderExcluir
  6. Você falou certo. O romance e a história é atemporal, vivemos isso no passado e continuamos a viver ele no presente, infelizmente a minoria ainda é massacrada. Mas parece ser um livro lindo, cheio de força e luta.

    ResponderExcluir
  7. Acredito que eu ficaria muito incomodada com esse leitura por conta desse crime e da injustiça causada. Mesmo sendo uma ficção sabemos que isso é muito real e todos os dias temos casos semelhantes, evolvendo outros tipos de crime. No entanto, sua resenha me deixou otimista e curiosa para saber como termina <3

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  8. Nossa! Eu não conhecia o livro, ao conhecer aqui imaginei uma coisa e ao ler a resenha tudo mudou kkkkk

    Amei a recomendação, pelo que você escreveu é do tipo de escrita que gosto, obrigada pela dica ♥

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    Que enredo lindo, fiquei curiosa sobre o tema da história. Não conhecia o autor mas já anotei o nome para procurar mais sobre ele, parabéns pela resenha estou empolgada para ler e saber como termina esse drama/romance, obrigado pela dica. Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Parece ser uma leitura realmente necessária. Gosto bastante de leituras reflexivas assim, ainda mais quando trazem um assunto ainda tão real nos dias de hoje, que é o preconceito. Adorei a dica de leitura!
    beijos

    ResponderExcluir
  11. Nossa, esse livro deve ter um enredo intenso e polêmico. Gosto de histórias assim e essa obra me chamou demais a atenção. Excelente dica.

    ResponderExcluir
  12. Oiiii,

    Estava doida querendo ver a opinião de alguém sobre essa história e estou encantada.
    Muito obrigada por compartilhar sua opinião!
    Com certeza irei ler essa história!

    ResponderExcluir
  13. Olá, adorei a resenha, fiquei bem empolgada para ler está obra, espero ter a oportunidade em breve!

    ResponderExcluir
  14. Este livor está na minha lista de leitura e confesso que eu tinha esquecido dele. Fiquei bem motivada na época em que o filme baseado nele estava em alta, mas acabei esquecendo. Adorei a sua resenha e espero te r uma experiencia de leitura parecida com a sua.
    beijos

    ResponderExcluir
  15. Nunca tinha ouvido falar desse livro, mas seu enredo me lembrou muito "O Sol é para Todos" e "À espera de um milagre". Há muitos anos li esses livros e gostei bastante. Vou anotar essa nova dica de leitura e ver se gosto! =D

    ResponderExcluir
  16. Olá!
    não conhecia esse romance, mas fiquei mega curiosa e envolvida lendo a sua resenha. Adoro essas histórias de lutas, em busca de justiça sabe, ainda mais com o poder do amor! Irei colocar na lista de leituras, fiquei bem interessada e comovida!

    beijos!

    ResponderExcluir

TOPO