14 maio 2019

Resenha: Os Homens Explicam Tudo Para Mim - Rebecca Solnit

em 14 maio 2019

Comente aqui


Em seu ensaio icônico “Os Homens Explicam Tudo para Mim”, Rebecca Solnit foca seu olhar inquisitivo no tema dos direitos da mulher começando por nos contar um episódio cômico: um homem passou uma festa inteira falando de um livro que “ela deveria ler”, sem lhe dar chance de dizer que, na verdade, ela era a autora. A partir dessa situação, Rebecca vai debater o termo mansplaining, o fenômeno machista de homens assumirem que, independente do assunto, eles possuem mais conhecimento sobre o tema do que as mulheres, insistindo na explicação, quando muitas vezes a mulher tem mais domínio do que o próprio homem. Por meio dos seus melhores textos feministas, ensaios irônicos, indignados, poéticos e irrequietos, as diferentes manifestações de violência contra a mulher, que vão desde silenciamento à agressão física, violência e morte. Os Homens Explicam Tudo para Mim é uma exploração corajosa e incisiva de problemas que uma cultura patriarcal não reconhece, necessariamente, como problemas. Com graça e energia, e numa prosa belíssima e provocativa, Rebecca Solnit demonstra que é tanto uma figura fundamental do movimento feminista atual como uma pensadora radical e generosa.

Ficha Técnica Da Obra
Páginas: 208 | Ano: 2017 | Idioma: Português | Editora: Cultrix | ISBN: 9788531614163 | Gênero: Ensaios; Não-Ficção; Feminismo; Sociologia | Skoob

Compre: AMAZON  SUBMARINO AMERICANAS 



Acho que todo mundo por aí já ouviu o termo "Mansplaining", termo usado para nomear a situação quando um homem explica algo para a mulher que ela já sabe, com uma confiança exagerada pressupondo que por ser homem ele sabe mais. Em Os homens explicam tudo pra mim Rebecca apresenta nove ensaios sobre esse fenômeno, e outros derivados dessa prática de silenciar as mulheres por gerações.

Acho que a maior mensagem desse livro é como feminismo é importante, como ele tem sido a arma para que pouco a pouco nós mulheres possamos nos livrar as amarras da sociedade, que tenta a todo custo nos colocar em padrões de beleza, de educação, comportamentais e é claro nos silenciar. 

Nos nove ensaios apresentados pela autora o sentimento que fica é a revolta, revolta por ver tantos dados altíssimos envolvendo estupros, feminicídio, violência doméstica, e praticamente nada é feito pela 'sociedade' para mudar isso. Mais mulheres morreram entre o 11 de setembro de 2011 a 2012 que no ato terrorista nos Estados Unidos, e ainda assim os maridos, namorados, estupradores estão aí soltos, são liberados depois de uma pena curtíssima ou na maioria das vezes nem são presos. 

Os capítulos são repletos de dados, estatísticas, lembranças da autora sobre acontecimentos que ela viu em noticiários, ou relatos que ela presenciou ou viveu, e com uma escrita muito realista e dolorosa, a autora vai mostrando como as gerações de mulheres sendo silenciadas é o motivo de tudo isso. A descrença quando uma mulher é estuprada ou até mesmo quando uma mulher denunciava seu marido antigamente, tudo é um fator social que vai muito além da violência por violência. 

Uma das coisas mais interessantes nesse livro é como a autora escreve de maneira clara, consegue mostrar todas as suas opiniões e dados e ainda assim não generalizar. Isso é muito importante para dar uma voz mais clara ao feminismo, mostrar o que está acontecendo sem apontar o dedo para 'afastar' outras pessoas, que acreditam que o feminismo é somente para mulheres que odeiam os homens.

Acredito que essa seja uma leitura mais que essencial para todos, tanto mulheres que querem aprender mais sobre o feminismo, quanto para os homens, que precisam ver como pequenas práticas de silenciar outras mulheres ao seu redor contribuem para um sistema opressor e violento. Os Homens explicam tudo pra mim é uma leitura rápida, incrível e dolorosa, e mostra que nós mulheres temos que nos unir, não podemos nos deixar ser silenciadas, e assim como a autora usa a sua voz para lutar por nós, devemos fazer o mesmo por outras mulheres. 

"A violência não tem raça, nem classe, nem religião, nem nacionalidade; mas tem gênero."

"A pandemia da violência sempre é explicada por qualquer motivo, menos o gênero do agressor - a explicação mais ampla de todas."

"O estupro e outros aos de violência, chegando até o assassinato, bem com as ameaças de violência, são a barragem que alguns homens erguem ao tentar controlar algumas mulheres, e o medo dessa violência limita a maioria delas."


"É claro que as mulheres são capazes de fazer todo tipo de coisas desagradáveis, e há crimes violentos cometidos por mulheres, mas a chamada guera dos sexos é extremamente desequilibrada quando se trata da violência real."

"Existem outros assuntos sobre os quais eu preferiria escrever, mas este afeta todo o resto. Metade da humanidade continua sendo perseguida, explorada e muitas vezes exterminada por essa violência tão difundida. Pense em quanto tempo e energia nós teríamos a mais para nos concentrarmos em outras coisas importantes se não estivéssemos tão ocupadas em apenas sobreviver."

""Ela é louca" é o eufemismo padrão para "Eu estou desconfortável com o que ela está dizendo"."


0 comentários :

Postar um comentário

TOPO