27 setembro 2018

Resenha: O Tatuador de Auschwitz - Heather Morris

em 27 setembro 2018

19 comentários

Nesse romance histórico, um testemunho da coragem daqueles que ousaram enfrentar o sistema da Alemanha nazista, o leitor será conduzido pelos horrores vividos dentro dos campos de concentração nazistas e verá que o amor não pode ser limitado por muros e cercas.

Lale Sokolov e Gita Fuhrmannova, dois judeus eslovacos, se conheceram em um dos mais terríveis lugares que a humanidade já viu: o campo de concentração e extermínio de Auschwitz, durante a Segunda Guerra Mundial. No campo, Lale foi incumbido de tatuar os números de série dos prisioneiros que chegavam trazidos pelos nazistas – literalmente marcando na pele das vítimas o que se tornaria um grande símbolo do Holocausto. Ainda que fosse acusado de compactuar com os carcereiros, Lale, no entanto, aproveitava sua posição privilegiada para ajudar outros prisioneiros, trocando joias e dinheiro por comida para mantê-los vivos e designando funções administrativas para poupar seus companheiros do trabalho braçal do campo.

Nesse ambiente, feito para destruir tudo o que tocasse, Lale e Gita viveram um amor proibido, permitindo-se viver mesmo sabendo que a morte era iminente.


Ficha Técnica Da Obra

Páginas: 240 | Ano: 2018 | Idioma: Português | Editora: Planeta | ISBN: 9788542212938 | Gênero: Ficção; Literatura Estrangeira; Romance | Skoob

Compre: AMAZON  SUBMARINO AMERICANAS 



"Como uma raça espalhada em múltiplos países pode ser considerada uma ameaça?"

O Tatuador de Auschwitz é um livro baseado na vida de dois sobreviventes com campo de extermínio Auschwitz, o maior e mais terrível criado no regime de Hitler. Lale e Gita, dois judeus eslovacos que se conheceram ali, e com muita sorte, perseverança e fé conseguiram sobreviver até o fim desses campos, quando as tropas soviéticas começaram a invadir e libertar os prisioneiros. 

Para uma pessoa que nunca havia lido nenhum livro (a não ser na escola) sobre esses campos de extermínio, esse livro foi bem doloroso pra mim, pois ler sobre tudo que aquelas pessoas passaram e pensar que eram pessoas 'normais' que apoiaram tamanha crueldade com outros seres humanos, é de cortar o coração. É algo desumano, impossível de acreditar, e mais impossível ainda pensar que ainda hoje tenham pessoas extremistas que apoiam isso. 

A história é contada sob o ponto de vista de Lale, um jovem judeu que se 'voluntariou' (entre aspas pois foi um decreto do governo, que toda família mandasse um jovem acima de 18 anos, e Lale acabou se voluntariando para salvar os irmãos que tinham filhos e os pais) pela família. Por falar vários idiomas ele acaba tendo uma 'vantagem' ali dentro, e logo é notado pelo Tatowierer, o homem que tatuava o número dos prisioneiros em seus corpos. Não era um trabalho fácil, tatuar homens, mulheres, idosos e até jovens iguais a eles, mas Lale acaba se aproveitando da pouca vigia que recebia e da comida extra para ajuda todos os outros ao seu redor. 

Esse é um livro muito verdadeiro, Lale conseguiu passar toda essa sua experiência horrível para a autora, e essa a transformou em um livro fácil de ler, de conseguir entender como aquele período foi horrível, de uma forma clara mas que de forma alguma é descritiva demais para chocar o leitor, então acredito que esse seja um ótimo livro para caso você queira ler mais sobre o tema e não saiba por onde começar. É uma leitura leve, porém ainda real.

"Você é uma heroína também, meu amor. Que vocês duas tenham escolhido sobreviver é um tipo de resistência contra esses nazistas desgraçados. Escolher viver é um ato de rebeldia, uma forma de heroísmo."

O romance com Gita é o foco do livro, e é muito lindo. Vemos como esse relacionamento deu esperança a eles para sobreviverem, para saírem dali e construírem uma vida juntos, uma vida 'normal'. Ler esse livro nos faz perceber como o amor dele por ela foi o que o fez sobreviver ali por tanto tempo, ver tanta crueldade e se manter mentalmente são, é uma história de amor linda, e o final do livro com certeza vai emocionar o leitor. 

Acho que as partes que mais me impactaram foram as cenas de morte, como a câmara de gás e o pânico que o médico Mengele causava em Lale e nos outros prisioneiros. Ele era o médico responsável por fazer experimentos nos prisioneiros, esterilizá-los, ou simplesmente os mandar para a câmara de gás para morrerem por serem doentes, incapazes de trabalhar ou porque ele não gostava da sua cara. É difícil ler sobre isso, é difícil ver os relatos de outros sobreviventes, ler o que Lale viu ali quando ele estava por perto, como disse... é algo desumano. 

A edição da Planeta foi algo que me encantou muito também, pois no final temos vários materiais extras que complementam com dados, relatos, fotos e até mesmo o mapa do complexo de Auschwitz. Com certeza é um livro que vou levar com muito carinho pra vida, e que me despertou a vontade de aprender mais sobre esse período tão doloroso para a humanidade. 

E apesar de eu sempre correr de livros que tenham o tema nazismo, esse não foi uma leitura muito pesada, a autora junto a Lale trabalharam para passar a visão verdadeira, porém de forma mais suave para que aquela história de vida desse sobrevivente pudesse chegar a mais pessoas, para que mais pessoas vissem o que um lunático no poder pode fazer com outros seres humanos, e para que um dia nada disso aconteça novamente, em lugar nenhum do mundo. Em tempos de tanto ódio, principalmente pregados por um político, é uma leitura necessária para se ver o que acontece quando uma pessoa louca detém o poder de uma nação.

"Sabe de uma coisa, Tatowierer? Aposto que você é o único judeu que já entrou em uma câmara e saiu vivo dela."


19 comentários:

  1. Oi.
    Gostei muito de saber que, mesmo sendo uma história real, o livro consegue manter uma narrativa leve. Realmente isso é muito importante para atingir o maior número possível de pessoas. Eu já tinha visto esse livro, mas ainda não tinha lido uma resenha sobre ele, e, lendo seus comentários, fiquei com mais vontade de ler.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. É mesmo um livro maravilhoso com uma escrita agradável que não nos enfada, ótimo para estudar e descobrir um pouco mais sobre esse terrível período pelo qual a humanidade passou. Fico pensando no sofrimento, nos pensamentos, nos sentimentos de desvalor que nossos irmãos experimentaram, é angustiante e revoltante.
    Abraços! 😊

    ResponderExcluir
  3. Sinceramente, antes de ler sua resenha eu não tinha curiosidade nenhuma de ler esse livro, porque achava o título muito "nada a ver". Agora, que você explicou como é a história, gostei, entendi e vou adicioná-la a minha lista de livros por ler.
    Obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  4. Olá, amei sua resenha. É mesmo doloroso ler sobre as coisas que aconteciam nos campos de concentração. Fico contente que na obra a verdade tenha sido passada sem ser uma leitura tão pesada. É um livro que quero ler.

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    Sempre acho bem triste livros que se passam nesse período, choro muito, pois da pra sentir um pouco do que as pessoas passaram e o quanto elas sofreram. Fiquei feliz em saber que em meio a todo o caos, ainda existiu a esperança do amor para os personagens!

    Beijos,
    http://pactoliterario.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Nossa, ler sobre o que acontecia dentro dos campos de concentração é sempre muito triste. Acho que nunca li um romance nesse cenário, mas fiquei curiosa.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  7. Oie! Eu sou o tipo de pessoa que foge desse tema também, é doloroso demais imaginar que a humanidade já passou por isso realmente. Mas a Planeta mandou bem demais nesse lançamento, a história me parece extremamente tocante e tem uma mensagem pra lá de importante. Espero ter estruturas psicológicas para lê-lo.

    ResponderExcluir
  8. Olá,
    Esse livro esta na minha lista dos que eu preciso ler, e apesar de não ler nada relacionado a essa época eu sinto vontade de me aventurar nessa historia, pois sei que vou querer ler sempre mais sobre o assunto, mais vou chorar também pois esse livro trás a realidade que já teve no mundo

    ResponderExcluir
  9. Oi Aline.

    Eu já estou com muita vontade de ler essa história e sua opinião despertou meu interesse. Ainda mais sabendo que a edição contém materiais extras, relatos, fotos e mapa. Com certeza é um livro que vou adicionar na minha lista de desejados. Parabéns pela sua resenha, estou bem curiosa pelo livro.

    Bjos
    https://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. tudo quanto é livro com a temática de Auschwitz mexe muito comigo, as vezes eu tenho medo de ler, pois as vezes parece ser algo tão intenso e forte, mas eu quero muito ler esse livro, pois quando eu estudei história, essa época foi uma das que quase me destruiu, quero muito conhecer!
    Adorei sua opinião.

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem?
    Eu já tinha visto algumas resenhas desse livro e me interessei bastante porque assuntos como o que retrata no livro, me chamam bastante a atenção. Depois da sua resenha, me interessou mais ainda.. vai pra minha lista!

    Bjs
    Blog Tell Me a Book

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    não gosto muito de ler histórias que se passam na Guerra, é tão pesado,mas gostei de conhecer e adoro histórias de amor, ainda mais essas que superam tudo, dando força e esperança para ambos. ótima resenha!

    beijos!

    ResponderExcluir
  13. Oi!
    Faz tempo que não leio romances sobre o Holocausto, mas estou de olho neste desde o lançamento. Eu também fico muito impactada com essas histórias, mas acho importante que de vez em quando a gente as leia para não nos esquecermos do que aconteceu, do que um regime fascista é capaz.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Só de pensar em tudo o que essas pessoas viveram naqueles tempos da Alemanha Nazista me deixa apavorada. Saber mais sobre o que o casal passou nesse romance tão avassalador deve ser um mergulho em um misto de sensações.
    No momento não sei se leria, mas gostei de ver suas considerações sobre essa leitura.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  15. Eu tô louca para ler esse livro. Ao contrário de você, adoro livros que se passam nessa época. Saber que de alguma forma a leitura não se torna pesada, mas também não deixa de tocar meu coração, me encanta. Amei ler a sua resenha!

    ResponderExcluir
  16. Oi, tudo bem?
    Confesso que sempre ignorei esse livro por causa do título e da capa, que na minha cabeça, não fazia sentido com o tema. Lendo a sua resenha, abri meus olhos para a possibilidade de estar perdendo uma boa leitura. Adorei sua resenha, beijos.
    falandodemais.com.br

    ResponderExcluir
  17. Oie!

    Não conhecia esse livro, mas nossa adorei sua resenha. Eu assim como você costumo fugir de leituras com esse tema, mas acredito que na nossa atual realidade precisamos trazer esse tema a toda de todas as formas possíveis. Adorei conhecer um pouco do livro e já estou colocando-o na minha lista de desejados!

    beijos

    www.thereviewbooks.com.br

    ResponderExcluir
  18. Que enredo!!!
    Sempre leio e aprecio muito as histórias que se passam na segunda guerra mundial, mas acho que esse livro aqui vai alem da originalidade e criatividade literária. Fiquei imaginando as cenas... Quero ler.
    beijos

    ResponderExcluir
  19. Dificilmente um autor ou autora, consegue trazer tanta emoção e verdade em um enredo, e pela sua opinião deu para perceber o quanto a história toca o leitor e como acabamos por sofrer ou nos alegrar por tudo na vida dos personagens, logo trazidos em um cenário de guerra. anotei a dica e espero ler em breve.

    ResponderExcluir

TOPO