19 setembro 2018

Resenha: All Your Perfects - Colleen Hoover

em 19 setembro 2018

21 comentários

O amor perfeito de Quinn e Graham é ameaçado pelo seu casamento imperfeito. As lembranças, os erros e os segredos que eles construíram ao longo dos anos agora os destroem. A única coisa que poderia salvá-los também pode ser a mesma coisa que empurra o casamento para além do ponto de reparo.

All Your Perfects é um romance profundo sobre um casal danificado cujo futuro potencial depende de promessas feitas no passado. Este é um romance comovente que pergunta: Pode um amor ressonante com um começo perfeito sobreviver a uma vida entre duas pessoas imperfeitas?

Ficha Técnica Da Obra

Páginas: 320 | Ano: 2018 | Idioma: Inglês | Editora: Atria Books | ISBN: 9788542213058 | Gênero: Ficção; Literatura Estrangeira; Drama; Romance | Acervo Pessoal | Skoob

Compre: AMAZON  


"É difícil admitir que um casamento possa ter acabado quando o amor ainda está lá. As pessoas são levadas a acreditar que o casamento só termina quando o amor se perde. Quando a raiva substitui a felicidade. Quando o desprezo substitui a bem-aventurança. Mas Graham e eu não estamos bravos um com o outro. Nós não somos apenas as mesmas pessoas que costumávamos ser. Às vezes, quando as pessoas mudam, nem sempre é perceptível em um casamento, porque o casal muda junto, na mesma direção. Mas às vezes as pessoas mudam em direções opostas."

Sempre que Colleen lança um livro eu fico com muito medo de ler, principalmente nessa nova vibe que ela está de escrever 'dramas mais reais' que a gente consegue se identificar logo de cara. Essa fase começou com É Assim que acaba, continuou em Without Merit e agora em All Your Perfects.

Esse livro trás a história da Quinn e Graham, dois adultos que se conheceram no que poderia ser o pior dia de suas vidas, quando seus parceiros estavam os traindo, e ao contrário do que se pode imaginar, eles não começaram um relacionamento logo em seguida, afinal cada um tinha que lidar com a dor da perda daquelas pessoas que eles dedicaram anos de suas vidas. 

Mas a vida deu um jeito de os unir novamente, e eles acabaram percebendo que eram um casal que tinham química, extremamente compatíveis e que seriam muito felizes juntos. Bem... Esse era o plano. Mas como esse livro é da Colleen Hoover a gente já pode esperar que isso não deu muito certo, não é mesmo? 

A história segue a vibe de O Lado Feio do Amor, onde temos uma narração do presente (7/8 anos depois do fatídico encontro) e o passado, onde nesses flashbacks entenderemos como eles acabaram ficando juntos, vamos conhecer melhor os personagens, suas famílias e todo drama que culmina na atual situação que esse casal se encontra. A narração é toda feita pela Quinn e acredito que isso torna o livro muito mais especial, principalmente para leitoras mulheres que com certeza vão conseguir se identificar com ela em algum momento. 

"Nosso casamento não desmoronou. Não se desfez repentinamente. Tem sido um processo muito mais lento. Está em declínio, se você preferir. Eu nem tenho certeza de quem é o mais culpado. Nós começamos fortes. Mais forte que a maioria; Estou convencida disso. Mas ao longo dos últimos anos, enfraquecemos. O mais perturbador disso é o quão habilidosos somos em fingir que nada mudou. Nós não falamos sobre isso. Somos parecidos de várias maneiras, sendo uma delas nossa capacidade de evitar as coisas que precisam de mais atenção."

Essa quebra da narrativa com o passado x presente com certeza deixa o livro mais intenso, pois vemos os dois juntos e felizes no passado, a incrível personificação de casal perfeito dos livros, mas quando mudamos o capítulo e vemos eles depois de 7 anos de casados é um soco no estomago, pois o casamento deles está em crise e mesmo não sabendo todos os motivos logo de cara, sabemos que o problema é algo relacionado à Quinn não conseguir engravidar, e isso é uma coisa que pesa muito pra ela e ela acaba se afastando do marido, e o Graham não sabe como lidar com esse afastamento, como ajudá-la sem piorar ainda mais o relacionamento deles que está tão frágil.

Depois disso tudo é spoiler, mas o que eu posso garantir pra vocês que esse livro é muito pesado, com certeza é o mais intenso que já li da autora e ele trás um drama muito real, e que é pouco abordado na literatura, que é a infertilidade. Os livros sempre abordam as mocinhas que engravidam sem querer, as que não querem ter filhos... Mas e as que querem e não conseguem? Eu nunca tinha parado pra pensar nisso e ler sobre esse tema de uma forma tão real com certeza doeu na minha alma e me fez refletir muito sobre como é difícil querer algo, sofrer tanta pressão da sociedade para ter um filho e não conseguir de jeito nenhum. 

É fácil se indentificar com a dor da protagonista, principalmente quando você é mulher, ou quando você já é casada e já passou por momentos de crise em seu relacionamento. Tudo ali é tão real, é tão intenso, é tão verdadeiro que você consegue se colocar no lugar no Quinn, você sente a dor dela a cada página, você entende o seu drama, o seu afastamento, as suas dúvidas e principalmente você entende porque isso afeta tanto ela, porque pra uma mulher casada, essa pressão de ser mãe, de gerar uma criança é muito grande e está ao seu redor o tempo todo, até nos olhos das pessoas que mais te amam. 

E ao mesmo tempo que você entende a Quinn, você também percebe quanto é difícil para a outra pessoa conseguir se aproximar em um momento assim. Graham é aquele mocinho perfeito, amoroso e apaixonado por sua esposa, mas o que ele representa é difícil de não entender todos os motivos da mocinha, e é ainda mais difícil ver ele querendo ajudar, querendo salvar esse casamento e não conseguir. Esse é um livro que vai brincar com seus sentimentos do começo ao fim, uma facada atrás da outra, e por mais que seu coração esteja estilhaçado no final da leitura, você sairá dali com grandes lições. 

A mensagem do livro é muito sobre a gente não olhar só para escuridão, para os defeitos... Pois quando olhamos somente para as coisas que deram errado na nossa vida, oportunidades que perdemos, coisas que não são possíveis mudar o resultado, nós vivemos infelizes, e não reparamos nas coisas boas que acontecem ao nosso redor, nas pessoas que estão ao nosso redor e nos amam. 

E é claro que há uma mensagem muito linda sobre relacionamento, casamento. Pois apesar da 'solução' do livro ter sido uma coisa 'fácil demais' a mensagem sobre isso é muito verdadeira, ela mostra que o casamento é uma união de duas pessoas, que as vezes podem não ter o mesmo pensamento, as vezes podem se afastar, mas que é muito importante que tenha sempre alguém ali lutando por esse amor, estar ali pela outra. Enquanto uma estiver ali tentando, sendo forte, apoiando a outra, essa relação tende a dar certo, os momentos difíceis são enfrentados com muita mais garra e eles conseguem resistir a qualquer furacão que aparecer. 

"Se você só incidir luz nas suas falhas, todos os seus pontos perfeitos irão escurecer."
Esse livro mexeu muito comigo, me identifiquei muito com todos os temas abordados pela autora, principalmente a pressão da sociedade para que você tenha um filho, na questão da relação dela com os pais, do casamento... Eu chorei muito nesse livro, sinceramente acho que foi o que mais chorei na vida, pois teve momentos que eu tinha que parar, respirar e limpar as lágrimas pois não estava conseguindo ver mais nada da minha frente. 

O livro não é 100% perfeito, há algumas coisas que eu achei um pouco desnecessárias por não terem sido abordadas com mais profundidade, mas no tema que ele se propõe a abordar é completamente perfeito, real e com certeza vai fazer os leitores chorarem. 

Não vejo a hora da Galera Record publicar ele por aqui, pois esse com certeza entrou para os meu Top 3 de favoritos da autora. 

"Estamos todos cheios de falhas. Centenas delas. Elas são como pequenos buracos em toda a nossa pele. E como o seu papel disse, às vezes lançamos muita luz sobre nossas próprias falhas. Mas há algumas pessoas que tentam ignorar suas próprias falhas ao iluminar as pessoas a ponto de que as falhas da outra pessoa se tornem seu único foco. Eles os criticam, pouco a pouco, até que se parta e é tudo o que nos tornamos para eles. Uma falha gigante e aberta."




21 comentários:

  1. Olá!
    Eu já li muitos livros da Colleen e o último que li Tarde Demais, mas o meu favorito continua sendo Talvez um Dia. Acompanhei esse lançamento pelo Goodreads, mas ultimamente estou sem tempo pra ler em inglês. Gostei muito da premissa e acho muito triste livros que retratam o tema da infertilidade, pois enquanto mulheres somos cobradas pra ser mães, ter filhos, e muitas tem o sonho da maternidade. Imagino que tenha sido mesmo uma leitura emocionante.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Amei a resenha, fiquei bem curiosa pra ler e já anotei a dica :)

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem?

    Ainda não li um livro solo da Colleen Hoover, mas tenho muita vontade, principalmente pelos comentários que suas últimas obras vem tendo no meio literário. Li recentemente uma obra com esta mesma temática, onde a personagem deseja engravidar, mas é infértil. E creio que este livro da CoHo mexeria bastante comigo, pois esse é um assunto delicado, além de todo o drama do relacionamento e as crises. Com certeza já quero ler, amei conhecer sua opinião. Parabéns pela resenha!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Ainda não li nada da autora, embora tenha alguns e-books aqui, mas tenho adiado pq não é o tipo de livro que costumo ler, baixei os e-books por conta dos maravilhosos comentários.
    Sua resenha tá bem empolgante rs

    ResponderExcluir
  5. Olá, deve ser bem complicado mesmo para a protagonista lidar com essa pressão para ser mãe, querer e não conseguir. Muito interessante isso de ser possível entendê-la, compreender seus dramas tão bem. Ótima resenha.

    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi tudo bem? Os livros da Colleen são muito bons mesmo, sua escrita sempre mexe com meu emocional, esse livro ainda não li, mas já coloquei na minha lista de leitura. Pela sua resenha percebi como é perturbador essa trama pois casamento é coisa séria e quando está faltando alguma coisa fica um relacionamento incompleto, principalmente quando a desavenças entre casal. Parabéns pela resenha deu para entender o que vou ler, você foi direta e sincera, obrigado pela dica, bjs!

    ResponderExcluir
  7. Gosto muito quando o enredo mistura o passado e o presente dos personagens, ainda ndaais sendo da autora. Uma pena que não li ainda.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  8. Oie!

    Eu amo os livros da CoHo, mas confesso que tenho que estar no clima para lê-los, pq eles sempre me fazem desidratar de tanto chorar, o último que li dela foi o E Assim Acaba, e nossa só de ler sua resenha e ver que esse segue esse estilo mais real, me da um aperto no coração.

    Adorei sua resenha quero ler esse livro mas acho que vou esperar ele lançar aqui no Brasil!

    Beijos

    www.thereviewbooks.com.br

    ResponderExcluir
  9. Tu quer acabar comigo né? O livro ainda não foi traduzido mas eu quero ler pra ontem, como faz? Tarde demais me destroçou de um modo surreal, CoHo não estava para brincadeira, então a impressão que tenho, é que toda história dela a partir de agora, vai ter uma carga mais pesada, como nesse caso. Espero que a Galera traduza o quanto antes, e mantenha essa capa original porque é linda demais.

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bem?

    CoHo sabe escrever como ninguém! To atrasada com os livros dela, porém a cada resenha que leio, vejo que ela se supera. Já tinha ouvido falar desse livro, porém não sabia do que se tratava e lendo sua resenha, já sei que é mais um livro dela que quero para ontem. Ela sabe como "destruir" nossas emoções. A dica tá mais do que anotada.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. EU AMEI SUA RESENHA! O que eu mais amo na CoHo é essa “pegada” de livros mais intensos e reais. Sem duvidas é possível se identificar logo de cara com a personagem, aliás, infelizmente, há muitas mulheres passando por problemas diversos. Estou muito ansiosa para ler este livro e vivenciar todos esses momentos.

    Beijos,
    www.psamoleitura.com

    ResponderExcluir
  12. Oi! Eu sinceramente acho que o objetivo da vida da CoHo é fazer com que seus leitores se acabem de chorar EM TODO livro e adorar cada instante. Tenho gostado bastante dessa fase nova da escrita dela -- mas estou percebendo também que agora é ladeira abaixo no quesito mexer com nossos sentimentos. Também achei All Your Perfects seu enredo mais pesado até agora, eu acho que a lição que fica é bem essa mesmo, a gente não pode ficar só focada no que não está dando certo senão não percebemos o que há de bom. AYP não conseguiu destronar Maybe Someday do posto de favorito, mas tá ali pertinho.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Eu ainda não conhecia esse livro e já fiquei aqui curiosa com a leitura dele, com certeza é uma obra que vai mexer muito comigo também e sei que a leitura vai ser bem intensa. Gostei de poder ter lido a sua resenha sobre esse livro e conhecer a trama, embora seja um livro pesado eu acredito que a mensagem que ele transmite é muito importante e quero poder ler também.

    ResponderExcluir
  14. Nossa, nem me fale da pressão da sociedade pra ter um filho, uma semana sim e outra também alguém vem me falar que eu seria ótima mãe, que é ótimo ter filhos, acho que quando eu tiver uns 50 anos para, né? Amo os livros da autora e já aconteceu comigo de ter que parar de ler pra enxugar as lágrimas, e espero que aconteça de novo com essa obra, porque quanto mais ela destroça meu coração mais gosto da leitura.

    ResponderExcluir
  15. Nunca procurei saber o gênero textual da autora, e eu não sou muito fã de dramas, mas sempre comentam coisas favoráveis a respeito de suas obras. Fiquei triste só de ler suas impressões, pois aborda um tema bastante forte que é a infertilidade. Adoro tramas que fazem esses flashbacks, e embora não faça meu estilo, acredito que em breve a editora publicará aqui no Brasil.

    ResponderExcluir
  16. Olá! Eu só li um livro da autora, Talvez um dia e gostei demais da escrita dela. Eu não curto tanto narrativa que alteranm passado/presente, mas sendo da Colleen eu já nem me preocupo tanto. E de fato parece ter uma excelente mensagem!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  17. Oiii, eu amo a escrita da CoHo e o fato dela trazer temas tão próximos da realidade, que poderiam acontecer com qql uma de nós ou até já aconteceu... E eu admiro muito a forma como ela expõe os sentimentos e pensamentos dos personagens. Amei a sua resenha, só por ela já refleti sobre as questões, imagina quando eu estiver lendo o livro?

    ResponderExcluir
  18. Olá!
    O que dizer da CoHo né. Consegue trazer tanta veracidade em seus personagens e os dramas nos envolve de tal maneira que nos derramamos em lágrimas. A história parece comovente e fiquei bem ansiosa para saber mais das imperfeições desse casal, as pressões sofridas ao longo dos anos de casamento.
    Mais um livrão para ser publicado por aqui.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  19. Oiee,
    É assim que acaba me destruiu por semanas, a intensidade da história e dos sentimentos me deixou numa ressaca brava kkk Whithout foi mais legal, mas não menos intenso. Acho que Cho tem o dom de tocar na ferida, e os livros atuais dela andam bem pesados mesmo, colocando esse na lista.
    Com relação a infertilidade, leia o da Kristin Hannah, As coisas que fazemos por amor, é lindo e trata sobre o mesmo problema, mas com outros acontecimentos.

    ResponderExcluir
  20. Olá
    Falou que é Collen abaixa que vem tiro. Sabe o que eu amo nos enredos da Collen ? Primeiro que ela consegue criar situações que mesmo que você nunca tenha passado por elas você consegue se identificar e tomar as dores daquele personagem para você. Outra coisa é que ela sempre vai discutir algo que gira em torno da sociedade e que por muitas vezes as pessoas julgam comum. Essa mulher tem o dom de colocar o dedo na ferida de todo mundo e fazer todo mundo repensar seus atos. Amo a narrativa presente x passado, em O Lado feio do amor foi uma narrativa inteligente para entendermos o motivo do presente. Esse tema sobre infertilidade realmente não é algo muito visto em meios literários. Já não vejo a hora de poder ler esse livro e como sou uma manteiga derretida de carteirinha já vou comprar uma caixinha de lenço. Amei com todo meu coração essa resenha, beijos.

    ResponderExcluir
  21. Oi tudo bem? Eu não li nenhum livro da CoHo, por medo mesmo dessa avalanche de sentimentos, mas quero ler muito, comprei dois livros e está aqui me esperando, sua resenha ficou perfeita os sentimentos que me despertou e notei que você escreveu com essa mesmo sentimento, parabéns você colocou vários pontos que realmente adorei, bjs!

    ResponderExcluir

TOPO