11 maio 2018

Resenha: Pressa de ser feliz (Crônicas de um ansioso) - Matheus Rocha

em 11 maio 2018

14 comentários

Matheus Rocha, autor do blog Neologismo, gosta de falar sobre a vida. E a vida tem dessas coisas: paixões, relacionamentos desencontrados e amores que marcam o coração. Ele acha, de verdade, que esse mundo pode ser um lugar bem legal pra se viver, e sonha em abraçar as pessoas por meio de suas palavras.

Em Pressa de ser feliz, reuniu crônicas do cotidiano de um ansioso. É a experiência de alguém que, como todo mundo, aprende pouco a pouco a lidar com as loucuras da vida e com a urgência da felicidade.

*Livro de acervo pessoal da blogueira* 

"Ás vezes, escolhemos lutar contra monstros mentais que nem pedem socos e pontapés. Abrace-os. Sentir não é errado. Significa que você não tem um coração enorme. Um peito em que cabe muita coisa. Então... Só... Sinta. Sinta até a última gota de sentimento. Depois, lave o rosto, sacuda a alma e levante-se. Viver não é só sorrir. Viver, é, também, ficar em silêncio. Ainda que cheio de barulho por dentro. E tudo bem. Isso não quer dizer que você não é feliz. A felicidade tem um conceito deturpado que, se a gente observar bem, já é feliz e nem sabe. Ou finge que não. Ou pensa que não. Ou se confunde. Para ser sincero... estamos todos confusos. Até as certezas absolutas podem mudar. Nada, no fim das contas, é tão absoluto assim."

Eu sou uma pessoa que sofre com ansiedade, até dois anos eu não sabia nomear todos esses sentimentos, nunca pensei em procurar ajuda médica pois cresci em uma família que sempre pregou que guardar pra si sempre era o melhor caminho. 

Mas esse ano as coisas finalmente estão mudando, e no meio desse caminho tive a alegria que ganhar esse livro da Raquel do Malucas por Romances, e sem saber nada sobre ele me joguei nessa leitura, e encontrei ali palavras de um amigo, que compartilhava as mesmas dores que passei e dica a dica foi me dando mais coragem para lidar com esse mal chamado ansiedade. 


Ansiedade é um mal muito banalizado por todos, muitas vezes visto como 'mimimi' e coisa fácil de se resolver, mas viver com esse disturbio emocional é muito mais complicado do que parece, e está em mais pessoas do que se imagina. Segundo a OMS 322 milhões de pessoas pelo mundo sofrem de depressão, 18% a mais que há dez anos. O número representa 4,4% da população do planeta, Sendo o Brasil o país com a maior taxa de pessoas com transtornos de ansiedade do mundo e o quinto maior com depressão. No total, 18,6 milhões de brasileiros viviam com algum transtorno de ansiedade em 2015 e 11,5 milhões de pessoas, com depressão no País. Vendo tais dados é difícil de entender como as pessoas ainda tratam a ansiedade como algo banal, como besteira ou um problema fácil de se resolver sozinho. 

Quando uma pessoa sofre com a ansiedade é um misto de sentimentos, nós imaginamos mil e uma possibilidades para coisas que ainda nem aconteceram, quiçá que vão acontecer. Tememos o pior, ou criamos expectativas demais e quando vê somos frustados por coisas que nós mesmos inventamos em nossa cabeça. Pensamos mil coisas, planejamos, mas o medo de que algo dá errado nos trava, e no final somos taxados de preguiçosos por nunca conseguir fazer o que dizemos. Vou deixar pra vocês um vídeo falando mais sobre isso, é um dos melhores que já assisti sobre o assunto. 




Matheus não tem a intensão de ser um especialista do assunto nesse livro, ele é somente mais uma pessoa que sofre com ansiedade, e em suas crônicas vamos ouvir as palavras de um amigo que já passou por isso que você está sentindo, e tem algumas coisinhas para contar, seus ensinamentos, seus tombos, seus aprendizados... cada crônica vai fazer você se sentir abraçado, se sentir um pouco menos solitário e também vai trazer uma vontade de buscar ajuda, de também se encontrar nessa jornada. 

Li o livro aos poucos, e foi a melhor coisa que fiz, toda noite pegava esse livro antes de dormir e lia um pouquinho, duas, três crônicas, marquei praticamente uma quote por crônica e no final estava indicando o livro pra todos os meus amigos, principalmente para os que sei que passam pelo mesmo problema que eu, que Matheus e muitos outros.

O Livro é dividido em três partes: Começos, Meios e Fins, e em cada parte o autor trata da ansiedade em um aspecto das nossas vidas, sejam em relacionamentos, nossas expectativas pessoais, nossos trabalhos... Cada parte de faz refletir de uma maneira diferente, e no começo de cada parte há uma lista para te ajudar a lidar melhor com ela, e te convida a riscar as páginas, rasgar, discordar... Enfim, tratar o livro como um amigo que está conversando com você e tentando de ajudar a entender melhor o que está passando. 

A diagramação da editora é mais do que perfeita também, repleta de ilustrações no começo de cada capítulo que transmitem a ideia daquela crônica, dá vontade de tirar as páginas mesmo e colar na parede (pena que eu não tive coragem hahaha). As páginas laranjas também dão um charme a mais no livro, e eu fiquei simplesmente apaixonada com todo esse carinho. 


É muito difícil falar mais desse livro pra vocês, porque é uma experiência pessoal e única, se você é uma pessoa que sofre com ansiedade você vai se sentir abraçado, ver que não é só você que está passando por aquilo e sentir uma pontinha de esperanças que um dia tudo irá melhorar. Mas caso você não passe por isso, é uma ótima forma de entender o que é ansiedade, e ainda assim acredito que alguns textos do Matheus irão tocar vocês também, encaixar ali na sua vida e fazer você tirar uma lição daquele momento.

E se você desconfia que tenha ansiedade, procure ajuda de um profissional. Não se cale, não guarde todos esses sentimentos só pra você. Quanto antes começar a buscar ajuda, mais rápido sua vida pode começar a melhorar, mais rápido você pode se encontrar, e isso meus amigos, não tem preço.

Então, pra finalizar essa resenha vou colocar alguns dos trechos que eu marquei pra vocês pensarem um pouquinho...

"Compreendi, finalmente, que a felicidade não é uma linha contínua. Ela é um conjunto. É uma coleção de momentos especiais que nos levam ao clímax da vida. E que a existência é como uma montanha-russa, de fato. Subidas, descidas, curvas, mas com o propósito de que nos divertamos. MUITO. E sabe a pior parte disso? Mesmo sendo esse o principal objetivo da vida, geralmente ignoramos toda diversão. Estamos com tanto medo de cair que, tristemente, fechamos os olhos e perdemos toda a aventura de viver. Deixamos de estender os braços, sentir os cabelos voarem, o vento no rosto, o frio na barriga e trocamos tudo de mais incrível pela segurança mórbida e tediosa do chão firme."

"Prazer, este sou eu. Mais um cara comum, com gostos duvidosos e vontades descabidas, mas que tem tentado aprender, dia após dia, que tudo que precisa realmente é ser fiel à própria essência. E que tenta explicar ao coração o que o cérebro já entendeu: às vezes, as pessoas não gostarem de você é uma dádiva. Um alívio. E, que quem te ama vai estar com você até quando você fizer a maior merda de toda a sua vida. Que vai te puxar a orelha, mas depois vai te asfixiar num abraço."

"Aparentemente, a vida não foi feita para os ansiosos. Ela requer, como eu disse, um nível de autocontrole que ainda estou aprendendo a ter. Sou intenso demais. Eu só não sei se esse é um grave defeito ou minha maior qualidade"

"Quando não há mais para onde afundar, o fundo do poço se torna trampolim. Dali, a gente só pega impulso para chegar no topo e nocautear as adversidades." 

"É importante saber que fugir do problema não o fará sumir. É necessário olhar de frente para ele e se mostrar maior. Mais capaz. Às vezes, a vida nos oferece desafios como o ataque de um leão, mas disfarçados de qualquer outra coisa, para que aprendamos como agir. Se dermos as costas, somos atacados. Se nos mostramos imóveis, somos devorados. Se silenciarmos aos rugidos, perecemos."

"Entender que só existe o aque e o agora é a chave para a nossa felicidade. Ficamos o tempo todo presos aos nossos erros do passado, tentando voltar para um lugar que não existe mais, a fim de corrigir nossas ações. Ou então viajamos hipoteticamente numa nave para o futuro, tentando prever tudo que acontecerá. Tentando antecipar as quedas, já arranjando bengalas para nos reerguermos... É a mistura de tudo isso que gera essa síndrome que me ataca. Que me deixa refém de um nada, que, quando paro para observar, é tudo. Sinto muito, e por tudo. São tantas coisas que parecem nada ao mesmo tempo."




14 comentários:

  1. Oi Sabrina, tudo bem? Eu já me senti abraçada pela resenha, confesso. E concordo que a ansiedade é um mal banalizado, as pessoas não entendem e minimizam o sofrimento alheio. Aliás, o mundo necessita mais de empatia. Adorei o tema e a edição! Já quero ler!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  2. Oi Sabrina!
    Eu não conhecia o livro, mas achei bem interessante. Apesar de não ler muitos livros de crônicas, não é um gênero que eu não goste, só não tive ainda muitas oportunidades de ler.
    Ansiedade é realmente sério e tem que ser tratado, ou pelo menos, trabalhado, para não atrapalhar a vida da pessoa, e acho interessante o autor tratar de um assunto como esse em crônicas sobre o dia-a-dia, basicamente.
    E pelas fotos do livro que você postou, realmente parece que a edição está muito bonita.
    Dica anotada!
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito de conhecer essa obra, por ser um compilado de crônicas e pela temática envolvida. E muito bacana de sua parte trazer dados sobre a ansiedade; realmente é um transtorno que precisa ser tratado, mas infelizmente há muito preconceito ainda na sociedade em se procurar ajuda medica quando o assunto é transtorno psicológico, lamentável. Mas tenho a esperança de que as pessoas um dia deixarão de serem tão 'quadradas' e respeitarão as patologias e as pessoas que sofrem delas como deve ser. Amei seu post, muiiiito! Bexus :*

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem?

    É legal ver um livro de crônicas cujo tema não seja apenas o amor (ou a falta dele). Sofro de ansiedade, assim como a maior parte da população brasileira e mundial, então com certeza será uma leitura que acalentará meu coração.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Sofro com esse problema e por anos vi as consequências chegarem aos estremos, depois de 2 anos de tratamento eu me sinto melhor, mas nunca curada, infelizmente. Então ver um livro com uma proposta dessas me chama atenção. Livro para se ter na cabeceira e degustar, como você fez. O fato de nos fazer refletir só agrega valores a obra, tenho certeza que amaria as crônicas, então anoto a recomendação.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Eu amo crônicas, adorei o tema - sou ansiosa também - e o que falar deste projeto gráfico lindo??? Tá caprichado demais. Assim a gente fica mal acostumada... rs
    Adorei a dica
    beijos

    ResponderExcluir
  7. A resenha fico perfeita! Parabéns!

    Ainda não tinha ouvido falar desse livro, mas claro que fiquei interessada. Sou ansiosa desde que me entendo por gente. E já tive momentos piores, sobretudo quando vivi uma fase de Síndrome do Pânico causada por um trauma, aí que fiquei no limite mesmo, ao ponto de sofrer de depressão. Tudo se juntou para quase me enlouquecer. E eu era apenas uma adolescente. Demorei anos, mas consegui superar a síndrome do pânico, a depressão e restou apenas a ansiedade mesmo, que sempre tive. Eu consigo controlá-la. Claro que existem momentos em que ela é mais forte, em que crio todo um filme de coisas que podem dar errado na minha cabeça, mas esses dias não são tão frequentes como antes. É incrível como uma coisa de nada consegue virar uma grande bola de neve na nossa cabeça por conta da ansiedade. Se me atraso para algum compromisso, por exemplo. Principalmente se for para o trabalho ou a faculdade. Se eu me atrasar já imagino um milhão de coisas. O coração acelera, fico gelada, penso que todos irão imaginar que me atrasei de propósito, que não sou responsável... Enfim... Coisas pequenas viram tempestades.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Sabrina!
    Gente, que edição lusho! Amei demais! Fora que eu também sofro de ansiedade, então eu tenho certeza que vou me identificar com muitas crônicas.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Que leitura mais prazerosa. Amo livros com essas temáticas e crônicas são sempre um pedaço da alma do autor. Geralmente me identifico com os textos e me leva a muitas reflexões sobre a vida e sobre como conduzimos nossas tomadas de decisões.
    O tema é muito comum e acomete muitas pessoas. Uma leitura que me agradaria realizar.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  10. Oie!

    Primeiramente, eu amei a edição desse livro, achei muito bonita e delicada. Eu amo crônicas e sempre vou amar e defende-las, haha. Eu não conhecia o autor, mas gostei da proposta do livro, dos temas abordados. Não conhecia, mas anotei a dica aqui para ler. <3

    beijos

    ResponderExcluir
  11. Oiii tudo bem??

    Sou uma pessoa extremamente ansiosa, e não procurei medido em relação a isso, acabo passando por tudo sozinha.
    Adorei conhecer o livro e preciso ler suas cronicas, e ter essa experiencia.
    Adorei sua resenha.
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  12. Olá, maravilhosa a sua resenha. A edição desse livro está sensacional pelas fotos. Muito importante falarmos sobre o tema ansiedade, gosto muito de crônicas e esse livro já vai pra lista de desejados.

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Que linda resenha, aqui no Brasil, ninguém pode sentir nada que já é visto como frescura, como mimimi, mas ninguém tem a capacidade de sentir a dor do outro. Ansiedade é algo que corroí a pessoa, eu sou bem ansiosa e acaba descontando na comida ou nos outros e isso é horrível. O livros está lindo e é um grande aliado para podermos entender melhor como nos sentimentos e como pessoas ao nosso redor podem também está se sentindo assim. Lindas fotos!

    beijos!
    https://blogminhaestanteliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Olá! Tudo bom?

    Primeiramente, a diagramação da editora do fato está perfeita. Amei cada detalhe que deu pra ver nas fotos. Ainda não tinha ouvido falar do livro, e achei bem interessante. Eu sou ansiosa e tudo o que você falou eu me identifiquei extremamente. Minha mente automaticamente pensa em mil possibilidades até para as coisas mais simples, acabo pensando demais e fazendo menos. O livro de fato parece ser maravilhoso, e os quotes que você colocou me fizeram ansiar por lê-lo. Está de parabéns ♥

    Um beijo

    ResponderExcluir

TOPO