Resenha: Entre as Estrelas – Katie Khan

7 comentários

Nada na Terra poderá separá-los. Um romance futurista surpreendente sobre o impacto do primeiro amor e como nossas escolhas podem mudar o destino de todos ao nosso redor

Num futuro não muito distante, após a aniquilação dos Estados Unidos e do Oriente Médio, a Europa nada mais é que uma utopia na qual, a cada três anos, a população se muda para uma nova comunidade multicultural. Em um desses paraísos, Max conhece Carys, e é amor à primeira vista. Ele logo percebe que Carys é a pessoa com quem deseja passar o resto da vida — uma decisão impossível nesse novo mundo. Conforme o relacionamento dos dois se desenvolve, a conexão entre o tempo deles na Terra e o dilema atual no espaço vai sendo revelado. À deriva entre as estrelas, com apenas noventa minutos de oxigênio, eles concluem que só um deles tem a chance de sobreviver. Mas quem?



Olá Leitores!!
Katy Khan trabalhou por dez anos na Paramount Pictures, e em seu livro de estreia trouxe uma proposta diferente, um romance com ficção cientifica, onde vamos conhecer a Europia, uma Europa utópica após a destruição dos Estados Unidos e do Oriente médio.

“ Achei que a clamídia tive sido erradicada.Supostamente, estamos vivendo na era da perfeição, num mundo perfeito, na utopia moderna.”
Estamos bem a frente do nosso tempo, e o futuro que a autora trouxe é bem complexo. Europia foi fundada com muitas regras para que o bom funcionamento e paz do lugar se estabeleça, com uma média de 3 anos há sempre uma rotação, onde as pessoas mudam de Voivodia que é com se define os países da Europia, para que as pessoas não se apeguem umas as outras, ninguém vive com um estilo ou proposito de vida, são todos individualista, não existe religião, afinal foi a religião que destruiu tudo em guerra, então todos vivem uma vida sem defender nada nem ninguém. O namoro é proibido até os 35 anos, para que não haja essa luta pelo outro. É um país com o lema que diz “ Eu vivo por mim mesmo”, os relacionamentos são todos sem compromisso e sem apego, algo superficial.

“O proposito de rotação era manter a individualidade das pessoas, sem identidade nacional ou pressão social, mas isso não queria dizer que você precisasse ficar sozinho, talvez pudesse dar um jeito .”
O livro é narrado em 3º pessoa, e há muito dialogo entre os personagens, então fica uma leitura mais rápida. Os capítulos são alternados entre o passado do casal protagonista e o presente, onde eles estão em orbita, longe da nave e com apenas 90 minutos de oxigênio. E o passado conheceremos os personagens, como se conheceram, o que passaram e como funciona as regras da Europia e as Voivodias.

“Os dois brigam em silencio por alguns instantes, vagando por seu caminho na escuridão. Quando se cansam, Max se encolhe em posição fetal, os braços cobrindo o capacete, os joelhos contra o peito, e grita. Grita pela impotência da situação, deixados a deriva e sem treinamento suficiente, flutuando pela noite.”

Conheceremos  Carys uma piloto de astronave que trabalha para a AEVE, que acaba conhecendo no supermercado o gerente e cheff de cozinha, Maximilian (Max). Max e Carys começam uma amizade que vai crescendo e vira uma paixão, mas com a proibição de namoro sério antes dos 35 anos é proibido esse relacionamento tem que ser as escondidas, afinal a família do Max leva as regras da Europia muito a sério pois são fundadores da Europia.

“Meus avôs ajudaram a estabelecer a Europia após a guerra, meus parentes são muito, muito dedicados a causa.”
O livro como um todo é bem aflitivo, pois vemos a luta do casal para poderem ter um relacionamento sem ter que se esconder ou afligir nenhuma regra e vemos a luta no espaço pela sobrevivência.

No inicio achei a história um pouco difícil, pois tem muito termos técnicos usado pelos astronautas, mas não deixa de ser uma leitura que prende, pois ficamos na expectativa para ver se os planos de sobrevivência irão funcionar e como irão driblar a proibição dos relacionamentos. 

Como o livro é bem curto, com um pouco mais de 200 paginas, não há como contar mais porque haveria spoiler, mas se você gosta de ficção cientifica vai gostar da leitura, eu particularmente não tenho muito costume de ler sci-fi nem nada do gênero, então a leitura foi bem arrastada, realmente essa temática futurista não me atraiu, mas gostaria que vocês leitores apaixonados pela temática dessem a oportunidade de conhecer a história e tirarem suas conclusões afinal o livro esta bem avaliado no Skoob.

7 comentários

  1. Para um mundo bem complexo achei bem falta de criatividade o nome escolhido, Europia. E que ironia alguém da própria família fundadora quebrar as regras rsrs. Confesso que não leio muito ficção científica e saber que a narrativa é muito técnica me desanima e dessa vez eu passo a dica.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Keyla.
    Gostei bastante da sua resenha e acho que, apesar de amar livros de ficção científica, vou deixar essa dica passar! Eu gosto dos livros do gênero que tenham aventuras e esse livro me pareceu usar o tema futurista apenas como uma desculpa para o romance e não como foco central!
    Não sou chegada a histórias aflitivas! Rs...
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  3. Pela capa, eu jamais diria que o enredo se passa em um cenário futurista ou qualquer relação com ficção cientifica, por isso, se visse na livraria acharia que era um romance apenas. Gostei dos pontos que você ressaltou e no momento não me chamou muito a atenção.
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?
    Eu não sou muito de ler ficção científica, mas confesso que ainda tenho curiosidade de ler esse livro. A premissa é bastante original e fico feliz de, apesar dos muitos termos técnicos, é o tipo de livro que prende. Uma pena que a temática mais futurista não tenha te atraído muito e, por isso, a leitura tenha sido arrastada.
    De qualquer forma, adorei a resenha.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Oii tudo bem??

    Li esse livro e achei ele mal construído, não foi da forma que gostaria, a questão do finla foi a unica coisa que me conquistou, mas achei ele uma boa perda de tempo.
    Adorei sua resenha.
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Com essa capa não imaginei que se tratava de uma leitura com ficção científica. Mas apesar de não ser muito fã do gênero, achei interessante o mundo distópico que a autora criou e o desenrolar da trama. Por ser um livro curtinho acho que me agradaria a leitura.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem?
    Interessante o enredo do livro, sou apaixonado por distopias e ficção científica, e este enredo me parece ser bem especial e encantador. Curioso saber que a autora trabalhou na Paramount, então já dá pra imaginar tudo que ela viu e como conseguiu trazer isso para dentro da sua obra. Anotei a dica e espero ler logo.

    ResponderExcluir