Resenha: Sempre Vivemos No Castelo - Shirley Jackson

15 comentários

Merricat Blackwood vive com a irmã Constance e o tio Julian. Há algum tempo existiam sete membros na família Blackwood, até que uma dose fatal de arsênico colocada no pote de açúcar matou quase todos. Acusada e posteriormente inocentada pelas mortes, Constance volta para a casa da família, onde Merricat a protege da hostilidade dos habitantes da cidade. Os três vivem isolados e felizes, até que o primo Charles resolve fazer uma visita que quebra o frágil equilíbrio encontrado pelas irmãs Blakcwood. Merricat é a única que pressente o iminente perigo desse distúrbio, e fará o que for necessário para proteger Constance. Sempre vivemos no castelo leva o leitor a um labirinto sombrio de medo e suspense, um livro perturbador e perverso, onde o isolamento e a neurose são trabalhados com maestria por Shirley Jackson.

*Livro de acervo pessoal da blogueira* 

Sempre Vivemos No Castelo nos apresenta a família Blackwood, uma família bem estranha e rica de uma cidadezinha qualquer. Eles nunca foram bem vistos naquele lugar, sempre havia um morador ou outro cochichando sobre os Blackwood, e quando a filha mais velha Constance foi acusada de matar toda sua família em um café a cidade toda passou a temê-los e a hostiliza-los ainda mais.

Mas Constance não sai de casa, quem vê todo o ódio da cidade é Merricat, a garota de 18 anos que faz as compras para a irmã toda semana. Toda semana ela ouve os cochichos dos moradores, as ofensas das crianças maldosas, os múrmuros dos bêbados, e toda semana ela deseja que eles morram, e que não destruam a felicidade que ela tem com Constance e Tio Julian.

Mas um belo dia um dos seus amuletos caí, e trás com ele Charles, seu primo que chega tirando todos da rotina e mandando em Constance e Tio Julian. Merricat sabe que é ele que está acabando com a felicidade daquela casa, ma será que ela fará o necessário para defender sua família?

"Marricat, disse Connie, você não quer uma xícara de chá? Ah não, disse Marricat, você vai me envenenar. Marricat, disse Connie, você não quer dormir? Lá no cemitério, com a terra a te engolir?"

Sempre Vivemos No Castelo é um livro muito doido hahaha. Sério, um terror meio que psicológico, uma história que você sabe que existe algo errado mas não consegue identificar o que, só sabe que o 'errado' está no restante da família Blockwood, e que não iria querer um chá adoçado preparado pela Constance.

As personalidades dos três personagens são estranhas, sinistras e você fica desde a primeira página curioso para saber o que realmente aconteceu naquele café que matou quase toda a família, e também quem foi o responsável por isso. Tio Julian é um velhinho que a todo momento relembra o acontecido, e é através das suas memórias, dos seus relatos que vamos entendendo realmente o que aconteceu ali, mas há sempre aquela pontinha de dúvida de quem realmente tem a ver com o desastre.

Constance e Merricat também, ambas são sinistras a sua maneira. Constance não sai mais de casa, não se importa da irmã pendurar um relógio de ouro e enterrar moedas de prata pelas terras da família, vive enfurnada na cozinha preparando o que a pessoa quiser pra comer e também é obcecada pela limpeza e organização da casa, mantendo tudo como os seus pais deixavam. Já Merricat é uma jovem de 18 anos com mentalidade bem infantil, ela passa o dia ajudando Constance, mas também adora ficar correndo por todo o lado com seu gato Jonas, enterrando e pendurando amuletos para manter a propriedade "segura".

É um livro bem fininho, e com uma escrita bem fluida que faz o leitor ficar preso naquelas páginas estranhas, porque queremos saber quem matou toda a família, queremos saber qualé o da Merricat e Constance, queremos saber o que Charles trará de desastre pra aquela família. É uma leitura viciante e original, e quando você mal vê já acabou aquela história e está olhando para o teto pensando em tudo que aconteceu e querendo mais livros da autora.

"A cova acomodaria com delicadeza a cabeça dele. Gargalhei quando descobri uma pedra redonda do tamanho certo, e desenhei um rosto com a unha e a enterrei no buraco. “Adeus Charles”, me despedi."



Em poucas páginas Shirley Jackson consegue nos apresentar um terror psicológico intenso e perturbador. Merricat não é nem um pouco confiável como narradora, mas ainda assim conseguimos entender seu amor por Constance, a união daquelas duas mulheres para tentar manter o que restou da família unidas. É perturbador também observar todo o ódio da cidade com aquela família, ver como as pessoas sempre são cruéis com o que é diferente e nessa parte desejei um final mais aterrorizante, mas consegui compreender tudo com as palavras da Constance: "É errado odiá-los”, Constance dissera, "só serve para enfraquecer você".

Esse não é um livro que todos vão amar, alguns vão achar meio fraco, outros vão achar sem pé nem cabeça, mas o consenso geral é que ele é estranho, os personagens são estranhos, e se você começar a olhar nas entrelinhas dessa história vai conseguir ver o quanto a autora é brilhante em construir uma história tão perturbadora e poética que aborda muito bem conceitos como a histeria coletiva, o medo do desconhecido, agorafobia e é claro as coisas que fazemos para nos manter unidos àqueles que amamos.
"Uma mulher que nasceu para a tragédia, talvez, apesar da tendência de ser meio boba."

15 comentários

  1. Nossa! Adorei a resenha, penso que todas famílias são um pouco estranhas à sua maneira, mas essa sem dúvida é especial, um tio nostálgico, a moradora que não sai de casa e a jovem com seu gato Jonas kkk, nome do meu marido. Já vou olhar pra comprar!

    ResponderExcluir
  2. Olá!

    Primeiro preciso dizer que seu gato é um modelo, a foto ficou linda. Agora sobre a história, vendo a capa não diria que é um meio terror, mas fiquei bem curiosa para saber se Constance matou ou não a família toda e se matou o motivo. Sua dica foi recebida com sucesso.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Eu adorei esse livro. Li ano passado e estou ansiosa pela continuação.

    Quando vi esse lançamento fiquei doida por ele, e quando recebi o livro fiquei doida na edição linda e caprichada da editora.
    Quem me conhece, sabe que leio bastante e gêneros variados, mas tenho um "tombo" por terror, horror e psiquê; então imaginem que fiquei em êxtase com esse lançamento que posso adiantar que AMEI!

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Sabrina, tudo bem? Livro estranho com gente esquisita pelo jeito kkkkkkkkk Eu ainda não li, mas pela resenha eu acho que deve ser no mínimo interessante e é sempre bom a gente ler coisas diferentes, se prende o leitor acho que já vale a pena!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Pois é, alguns vão achar sem pé nem cabeça, isso concordo por alguns trechos do que você escreveu, mas eu iria gostar pela peculiaridade dele. É a primeira vez que vejo sobre este livro e me lembrou outro que li. Até achei que fosse de outra editora, mas gostei dele sabia? Boa dica!

    ResponderExcluir
  6. Você conseguiu aguçar a minha curiosidade, pelo fato da autora ter construído uma história perturbadora e poética. Gostei muito da capa e das fotos postadas!! Boa indicação, obrigada!

    Bjs,
    Cidália.

    ResponderExcluir
  7. Eu ainda não conhecia o livro e fiquei curiosa pelas estranhezas da família e pela rapidez da leitura. Gostei do nome dos personagens, inclusive acho Constance um nome lindo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. O Sabrina, não conhecia o livro mas fiquei intrigada rs. A foto do seu gatinho com certeza não vai sair da minha mente, muito fofo, será ainda mais fácil lembrar dessa capa.
    Bjs,
    Tell me a Book

    ResponderExcluir
  9. Oi Aline!

    Tudo bem? Eu vi a foto esses dias desse livro no seu perfil do Instagram (ou foi no do blog? Estou me confundindo um pouco!) e fiquei bem curiosa para ler a resenha, mas mesmo você tendo elogiado pra caramba a história durante o post simplesmente não deu match pra mim. A história foge de tudo que eu geralmente gosto em um livro e li alguns comentários sobre esse tom gótico que o livro possui e simplesmente não vai rolar pra mim.

    A edição está belíssima (e suas fotos também!). Dá pra ficar babando aqui por algumas horas, infelizmente (ou felizmente, vai saber...) parei de comprar livros só pela capa.

    Beijinho
    www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  10. Honestamente eu adorei a resenha desse livro me despertou o interesse de ler esse livro, adoro historias assim malucas,gosto de misterios e compraria só pela capa. Sucesso, beijos

    ResponderExcluir
  11. Sabe que eu adoro esses livros com terror psicológico? Minha colaborado leu e resenhou no blog e fiquei muito afim de conhecer a trama. É bom saber que o livro é curtinho e rápido de ler. A edição está muito linda mesmo.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  12. Oiii tudo bem??

    Tenho esse livro na estante e estou doida para fazer a leitura, e adorei o conceito estranho.
    Adoro essas historias que não entendemos muito, ficamos sem saber o que pensar.
    Adorei você achar esquisito e mesmo assim gostar, e quero mesmo conhecer essas personagens.
    Adorei a resenha
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  13. Oi Sabrina!
    Adorei a definição que você deu para a obra: Estranha! ahaha
    A sua resenha me deixou bastante curiosa para conhecer a obra, mas infelizmente eu sou uma péssima leitora de terror, morro de medo do gênero e de tudo, por conta disso, acho que terei que passar a leitura :/

    beijos,
    Mayara

    ResponderExcluir
  14. Oi Sabrina,
    Ainda não li esse livro, mas ele tem uma premissa que me atraí bastante, principalmente, pelo terror psicológico. Eu confesso, entretanto, que acho que farei mais parte do team que não vai curtir tanto assim o livro, pois captei em algumas resenhas coisas que acho que não vou gostar. Eu estou pensando sobre o final desse livro, pois esse ódio que ele parece transmitir parece ser interessante.
    Vou me arriscar em ler e ver o que vou achar.
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Olá,
    Adoro livros deste gênero, principalmente aqueles que nos prendem do início ao fim, com momentos tão marcantes como você mostrou neste livro. Sua resenha me fez querer muito conhecer a forma como o terror psicológico foi tratado, e a premissa é bem instigante. Dica anotada.

    ResponderExcluir