11 janeiro 2018

Resenha: A Corte de Luz (The Glittering Court # 1) Richelle Mead

em 11 janeiro 2018

10 comentários


Nova trilogia da autora que conquistou o mundo com Academia de Vampiros e Bloodlines.

Elizabeth, condessa de Rothford, foi condenada a um casamento arranjado com um rico – e entediante – comerciante de cevada. Pra fugir desse destino, a garota assume a identidade de uma de suas criadas e foge em uma carruagem em direção à floresta de Adoria.
Lá, Elizabeth, que agora atende por Adelaide, é acolhida na Corte de Luz, uma espécie de internato que capacita jovens de baixa renda e as transforma em verdadeiras damas da sociedade. A condessa disfarçada de serviçal sai-se muito bem nas atividades da escola e, em pouco tempo, chama a atenção de Cedric, o filho do dono do lugar. Uma poderosa atração nasce entre Cedric e a misteriosa Adelaide, colocando não só o disfarce da garota em risco, mas também um grande segredo que o rapaz procura esconder a todo custo.



*Livro recebido em parceria com editora*



"Você acha que é a primeira garota a ter um casamento arranjado? Acha que é a primeira a se ressentir disso? A literatura e a música estão repletas de contos de pobres donzelas presas em tais circunstâncias que escapam para um futuro glorioso. Mas são apenas histórias. A realidade é que a maioria das garotas na sua situação... se conforma. Não há nada que você possa fazer. Não há nenhum outro lugar para onde possa ir. É o preço que pagamos por esse mundo em que vivemos."
Se tem uma coisa que me fez querer esse livro desde que vi a capa foi o nome da autora nela. Sério, sou completamente viciada em Academia de Vampiros, amo cada detalhe da história, cada personagem, completamente tudo daquela série, e quando vi esse novo livro da autora eu não pensei duas vezes quando fui solicitar na parceria.

Mas a realidade é que quando fui começar a ler já me avisaram que esse livro não era essa coca-cola toda que eu esperava, e aí minha bola baixou um pouco, porém nada me preparou para a confusão que achei aqui nessas páginas. 

A Corte de Luz nos apresenta a história de lady Elizabeth, ela é uma jovem condessa órfã que vive com a avó, e que está falida. Ela precisa de um bom casamento logo para conseguir manter seu estilo de vida, mas quando esse "milagre" aparece ela percebe que é uma cilada imensa, e que precisa arrumar um jeito de fugir daquilo 'pra ontem'. 

Pois como um milagre divino (esse sim é um milagre de verdade hahaha) um jovem chega em sua casa convocando sua criada para um empreendimento no Novo Mundo. A Corte de Luz é um empreendimento que pega jovens de classe mais baixa e dá a elas um curso de um ano para aprenderem a se comportar com verdadeiras damas, e depois elas vão para Adoria - um novo "país" que está sendo colonizado por pessoas comuns - para arranjarem um bom casamento com os novos ricos daquele lugar. Elas poderão escolher entre os pretendentes que se interessarem por elas, assim arranjando um bom casamento por vontade própria, com uma pessoa de boa vida. 

Quando Elizabeth ouve essa proposta para sua criada ela logo bola um plano para tomar o lugar da jovem sem ninguém desconfiar, e parte para a Corte de Luz para finalmente ser dona de seu próprio destino. Lá ela não é ninguém, lá ela aprenderá coisas que já sabe por ser uma lady mas terá que disfarçar a cada segundo para que ninguém desconfie dos talentos dessa simples criada, mas será que ela consegue fazer isso?  

"Coisas ruins sempre vão acontecer. Não há como evitar isso. Nosso controle vem de como as enfrentamos. Será que vamos deixá-las nos derrubar, nos deixando desanimados? Iremos enfrentá-las com firmeza e suportar a dor? Seremos mais espertos que as coisas ruins? Você saberá quando chegar a hora. E quando isso acontecer, precisará agir rapidamente.."
Bom, a proposta de A Corte de Luz a principio me pareceu brilhante, pois é difícil encontrar em romances de época ladys que queiram deixar sua vida de luxo para viver como a plebe, e é exatamente isso que Elizabeth fez, sem pestanejar, sem reclamar. Comecei gostando muito da protagonista, pois é necessária muita coragem para fazer o que ela fez, e até o final continuei com a mesma impressão, Elizabeth - ou Adelaide - é uma personagem extremamente corajosa e que sabe o que precisa ser feito para conseguir o que quer, mesmo que a principio isso não possa ser considerado muito correto.

Mas meu maior problema com esse livro foi o excesso de elementos na história e a falta de destaque deles, sinceramente eu acredito que A Corte de Luz poderia muito bem ter sido dividido em dois, assim a autora poderia ter trabalhado melhor cada plot twist e dado devido destaque a cada um, o que não aconteceu na história. Quando algo muito impactante acontecia logo os personagens "seguiam o baile", tocavam a vida como se aquilo não fosse tão importante sabe? E com isso deixava a história meio vazia.

"Por que não deveria? Depois do que você fez por mim... Você me salvou, Cedric. Eu estava me afogando em Osfro, é claro que eu deveria fazer isso. E farei mais o que for necessário para mantê-lo vivo, mesmo que você não queira."
Ao mesmo tempo a autora focou muito no processo da Corte de Luz na história, temos páginas e mais páginas sobre a lady aprendendo a viver como uma simples criada, aprendendo junto com as meninas as coisas que ela já sabe de cor e salteado e é claro dando uma de boba em alguns momentos para fingir que não sabe nada daquilo. O período em Adoria também foi excessivamente descrito, de modo que você lê, lê, lê e parece que não saiu do lugar hahahaha. Não que isso seja completamente ruim, em alguns pontos eu me vi completamente presa na história, mas daí acontecia alguma coisa que me tirava o foco e eu voltava a viajar.

Há muitas criticas legais na história, como por exemplo como a colonização de um lugar muitas vezes é feita de modo a roubar a terra dos nativos e como os colonizadores se acham no direito de fazer isso porque aquelas pessoas 'não são ninguém', há também críticas sobre religiões pagãs que naquela época eram consideradas heresias muito graves, levando pessoas a morte só por ter objetos associados a outras religiões em seu porte. Há também outras críticas sobre imigrantes, cor da pele, classes sociais, o papel das mulheres na sociedade e claro sobre casamentos arranjados, já que de certo modo as garotas mesmo podendo escolher com quem vão se casar ainda são "exibidas e vendidas como gado". Essa parte da história eu sinceramente achei muito legal e por isso achei muito triste o fato da autora não ter trabalhado bem em cima deles. 

O romance do casal é algo óbvio pela sinopse né, mas infelizmente não convence. Até a chegada em Adoria o casal mal se via e mesmo tendo toda a ligação com o passado dela e tals eu não senti aquela química surgir (desculpa Richelle, pra quem escreveu Rose e Dimitri eu esperava mais de ti mulher!) e mesmo lá pro final eles estando super unidos e tals ainda faltava alguma coisa....

"Cedric... você não me falou. O que sou pra você? (...) - Você é, algo que não posso ter."



As capas dessa série são simplesmente maravilhosas, combinando perfeitamente com as personagens, a joia que elas representam na corte de luz e suas características. A edição brasileira seguiu o mesmo modelo da original, com folhas amareladas e tudo e achei perfeita.  Ah, e antes que eu me esqueça de citar, mesmo sendo uma série cada livro é de uma personagem diferente, então temos um começo e fim na história de Elizabeth, se você não gosta de ler séries pode ler essa despreocupado ;) Sendo assim estou DESESPERADA para descobrir a história da Mira e da Tamsin nos próximos volumes.

Enfim, acho que mais uma vez me empolguei e falei demais. A Corte de Luz não é um livro ruim, mas é um livro mal estruturado. Há vários plot twist sem destaque, várias coisas acontecendo ao mesmo tempo e o final se você bobear não consegue acompanhar os personagens porque é no final que literalmente TUDO acontece. Como já conhecia a escrita da autora fiquei bem decepcionada com a história, mas ainda assim quero continuar a série porque como disse não é de todo ruim, alguns pontos me deixaram completamente vidrada e desesperada para saber o que iria acontecer a seguir. Se você está procurando um romance de época mais jovem cheio de reviravoltas e com uma personagem guerreira talvez seja uma boa leitura, só não vá com muita sede ao pote e esqueça Academia de Vampiros caso você a tenha lido hahaha.

"Somos todos responsáveis por nossas próprias vidas, e precisamos viver com as consequências das escolhas que fazemos. "

10 comentários:

  1. Não li nada da autora ainda e me empolguei com a sinopse desse livro. Mas ler você dizendo que tem muita falação e pouca estrutura, me desanimou um tantinho, gosto de seguir com os personagens, mas sem muito mimimi e correria, tudo tem que se encaixar, sabe? Casal não convencer é triste, fico pra morrer quando isso acontece. Enfim, ameeei sua sinceridade na resenha, adoro isso em uma resenha, e fico aguardado suas resenhas dos próximos livros, quem sabe você gosta mais das outras protagonistas e eu me anime também a ler.

    bjs

    https://feminicesdeumanerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Não sabia que esse livro era uma série e que muito menos era um romance de época-histórico. Achei muito interessante o livro falar sobre a cultura e sociedade da época. Amei as as capas dos livros, são realmente muito lindas.
    Adorei sua resenha

    http://naturezaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Gostei de sua resenha e sinceridade. A história parece ser muito boa.

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bom?
    Nunca li Academia de Vampiros ou outro livro da autora, então não sei dizer muito sobre sua escrita. Esse não é meu gênero preferido, mas achei a capa bem bonita. Uma pena ter havido algumas decepções ao longo da história, mas enfim, acontece, né?
    Até mais o/

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem?
    Eu não sou muito da que lê fantasia/distopias,etc, poucos os que me conquistam e eu queria muito, muito gostar dos livros dessa autora, mas já tentei começar essa série e simplesmente não me desceu e parei na metade do caminho. Uma pena, porque as capas são maravilhosas!

    Bjs
    Blog Tell Me a Book

    ResponderExcluir
  6. Oie
    Poxa que pena que a leitura não foi tudo isso pra você mas legal vc querer insistir por ter esperança hahaha sei como é. Muito boa sua resenha, parabéns pela resenha

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Não sabia que esse livro era um romance de época, tô passada agora hahaha Amo romances de época, e quando vi você falando que era um até me animei, mas saber que tem vários plot twist mal desenvolvidos, já descartei. Odeio quando isso acontece, a autora parece que quer fazer mil e um armagedons num livro só, e no final, me desculpe o palavreado, "caga" tudo. Sei bem a revolta que isso dá, porque nos últimos dias tô empacada com um livro que tem muito disso, e ficou agoniada, sinceramente. hahaha Mas sua resenha tá maravilhosa, muito explicativa, adorei!

    Um beijo, Por Amor aos Livros

    ResponderExcluir
  8. Nossa, que bad o livro ter esse probleminha de estrutura. Pois eu simplismente amei essa capa já estava correndo pra comprar - ou tentar - o meu HAHAHA Serio, o fato de ser capista me faz querer comprar todos os livros pela capa kkk ><

    Amei sua resenha.

    ResponderExcluir
  9. Oiii flor, tudo bem???
    Eu achei esse livro a caaara da minha amiga!!
    Ele não faz muito o meu estilo mas é 100% o estilo dela, vou super indicar ele para ela.
    Obrigada pela dica! :)

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bem?
    Eu já conhecia esse livro de capa, de "vista" apenas por acompanhar o catálogo da Planeta de Livros, contudo não sabia que é um romance de época e faz parte de uma série. Vou indicar para as meninas do blog, talvez queiram resenhar. Obrigado pela dica!
    Abraço!

    ResponderExcluir

TOPO