18 dezembro 2017

Resenha: A Grande Rainha (As Brumas de Avalon # 2) - Marion Zimmer Bradley

em 18 dezembro 2017

12 comentários




Uma Grande Rainha, ou uma grande tola hipócrita manipuladora?

"E então se lembrou do que Lancelote dissera em seu desespero, que não havia Deuses nem Deusa, mas que essas eram as formas que a humanidade dava, aterrorizada, ao que não entendia racionalmente.."
O segundo livro de As brumas de Avalon não foi nada do que eu esperava, e por isso demorei mais de uma semana para finalizar esse volume. No último capítulo de A Senhora da Magia vemos Morgana grávida deixando Avalon depois do que Viviane fez pra ela, e indo buscar refúgio no Norte com sua tia Morgause.

Eu tolamente imaginei que a trama deste livro iria girar sob essa criança que ela carregava e o reinado de Arthur, mas para minha surpresa entrou mais uma personagem na história: Gwenhwyfar, também conhecida como a personagem mais insuportável que li esse ano. Ela já havia aparecido de relance no primeiro livro quando se perdeu nas Brumas e foi parar em Avalon logo no momento que Lancelote e Morgana estavam tendo um momento romântico, e agora ela volta como ninguém menos que a futura esposa de Arthur, ou seja a Grande Rainha.

"Ainda assim, minha rainha, ninguém pode ser o mestre da consciência de outra pessoa. Ainda que considere maligno e vergonhoso, supõe saber o que é certo para o outro? Mesmo os sábios não sabem tudo, e talvez os Deuses tenham mais propósitos do que nós, com nosso pequeno conhecimento, podemos ver."
Gwenhwyfar é uma personagem difícil de engolir, por ter sido criada no convento sob as convicções cristãs ela literalmente enche o saco com relação as outras religiões pagãs do reino, incluindo nos seus preconceitos o povo de Avalon que para ela são pessoas amaldiçoadas, bruxos, seres do demônio. Ela foi minha maior decepção na história pois imaginei que agora que Arthur - um rei que jurou ser legal à Avalon e ao Cristianismo - subiu ao trono a situação daquele povo ia melhorar, mas como uma boa manipuladora que é Gwenhwyfar ela acaba mudando isso completamente e deixa todos os personagens sem chão.

Outro motivo que levei a chamar ela de uma grande hipócrita são os segredos que ela gurda durante toda a história, que acaba não sendo tão secretos assim afinal todos naquela corte reparam no que acontece e fofocam pelos cantos sobre a sua Grande Rainha que não consegue dar um herdeiro ao Rei. Tal comportamento dessa personagem nos leva a refletir sobre tal assunto na nossa vida, às vezes criticamos tanto algo, os comportamentos das pessoas, seus "pecados" e nem reparamos que estamos fazendo algo semelhante, é aquela velha história de quando você aponta um dedo para alguém tem 4 apontados pra você.


Morgana também tem um grande papel aqui, ela está completamente mudada não é mais aquela menina doce que acredita em todos os planos da Deusa e os segue cegamente, eu gostei dessa nova versão e mesmo ela tendo estado um pouco apagada até o final do livro na história, acredito que terá um grande papel agora no terceiro livro, O gamo rei.

"Então, senhora, posso dizer apenas que é sorte desta terra que não seja o rei. Um rei deve proteger seu povo de intrusos, invasores, e liderá-lo em sua defesa; um rei deve ser o primeiro a se colocar entre sua terra e todo o perigo, como um fazendeiro defende seus campos de qualquer ladrão. Mas não é obrigação dele ditar o que acontece no íntimo de seus corações."
A Grande Rainha é um livro que acrescenta mais tramas à aquela central sobre a luta das religiões pagãs com o cristianismo e a guerra contra os saxões, apesar de eu ter demorado muito para concluir a leitura por causa da minha birra com a protagonista não nego que é um ótimo livro, só é necessário mais paciência para lidar com uma Rainha tão tola e manipuladora hahahaha. E mais uma vez a autora termina essa história nos deixando louco de curiosidade para saber o que acontecerá no terceiro livro, espero do fundo do coração que Gwenhwyfar caia de uma escada e quebre o pescoço, fazendo com que Arthur volte a ser sensato de novo hahahah Brincadeira - ou não :P


12 comentários:

  1. Fiquei curiosa para conhecer esse personagem tão insuportável que mencionou. O enredo é legal, gosto bastante dessa descrição do paganismo e todas as guerras que os envolvem, só não gosto de se tratar de uma série, normalmente prefiro livros único, mas claro que vale a dica.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oiee Sabrina ^^
    Eu odeio pegar birra com algum personagem, pois isso sempre significa que eu vou demorar mais para conseguir terminar o livro. Apesar de sentir curiosidade acerca do período histórico em que a história se passa, não sinto vontade de ler essa série :/ não me chama muito a atenção.
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bem?

    Estou para ler a primeira parte esse mês. Vou aproveitar as férias para colocar as leituras em dia. Estou bem ansiosa para começar a leitura, estou vendo pela sua resenha que será uma boa leitura e que me agradará muito o enredo.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Aiii, te entendo completamente com esta coisa de personagem chata por questão de ser criada em modelo cristão e aí ficar achando que tudo tem que ser daquele jeito. Isto hoje me torra a paciência de verdade que dá vontade de dar na cara da personagem mesmo. Mas o legado do rei Arthur não é muito a minha praia.

    ResponderExcluir
  5. Oie, tudo bom?
    Cara, eu quero muuuuito ler essa saga (mas os volumes separadinhos, pois a edição única é um tijolo, rs). Adoro essa pegada medieval, então vou adorar a leitura. Pena que a personagem te irritou tanto, mas acho que essa era a intenção né? Hahaha. Adorei sua resenha!

    ResponderExcluir
  6. Oi Sabrina, tudo bem?
    Eu tenho vontade de ler as Brumas de Avalon, parece ser um livro bem bacana. Mas pelo visto ele também cai no problema do segundo livro não ser tão bom como o primeiro. Mas, mesmo assim pude ver que é um livro bom.

    ResponderExcluir
  7. Oi, apesar de pelo visto essa rainha ser um porre rs Fiquei curiosa pela história. Com certeza já irei pesquisar o primeiro livro. Bjs

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Eu tenho a versão antiga de Brumas de Avalon e nunca li,pois as folhas tem um cheiro que me deixa enjoada,eu já coloquei perfume e não sai.Voltando,odeio personagens que me irritam e são manipuladores da vontade de estrangular,imagino o que você passou.
    Quero ainda poder ler Brumas,um dia vai.
    Adorei sua sinceridade com o livro.
    bjs

    ResponderExcluir
  9. Oiii tudo bem??

    Essa edição do livro está lindissima ne??
    Já tentei iniciar a leitura da serie, mas acabei não me apegando a historia, alem de achar a leitura bem cansativa. Além de ser um tema que não curto muito.
    Mas adorei conferir sua resenha, quem sabe um dia não retomo a leitura.
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  10. Oi!

    Já li as Brumas de Avalon há alguns anos atrás, sempre gostei dessas histórias sobre essa época, Rei Arthur e etc. E sim, algumas coisas são bem hipócritas sobre a personagem e isso é uma coisa bem chata de fazer. Mas enfim, continue a leitura, essa edição ta bem bonita! :)

    beijos!

    ResponderExcluir
  11. Li este livro a muito tempo e tenho vontade de reler porque lembro que gostei muito na época, mas nem saberia dizer o que de fato mexeu comigo.
    Lendo os quotes que você compartilhou, me fez pensar na escrita e quero reler.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi,
    estou querendo dar uma chance a esta saga. Uma pena este segundo livro ter ganhado elementos pouco favoráveis mesmo assim quero dar uma chance em algum momento no futuro. Acho a história do rei Arthur bem interessante e pelo pouco que soube a abordagem nessa saga tem um Q a mais. A resenha está maravilhosa.

    Abraços!
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir

TOPO