Resenha: Marina - Carlos Ruiz Zafón

6 comentários
  


Neste livro, Zafón constrói um suspense envolvente em que Barcelona é a cidade-personagem, por onde o estudante de internato Óscar Drai, de 15 anos, passa todo o seu tempo livre, andando pelas ruas e se encantando com a arquitetura de seus casarões.

É um desses antigos casarões aparentemente abandonados que chama a atenção de Oscar, que logo se aventura a entrar na casa. Lá dentro, o jovem se encanta com o som de uma belíssima voz e por um relógio de bolso quebrado e muito antigo. Mas ele se assusta com uma inesperada presença na sala de estar e foge, assustado, levando o relógio. Dias depois, ao retornar à casa para devolver o objeto roubado, conhece Marina, a jovem de olhos cinzentos que o leva a um cemitério, onde uma mulher coberta por um manto negro visita uma sepultura sem nome, sempre à mesma data, à mesma hora.

Os dois passam então a tentar desvendar o mistério que ronda a mulher do cemitério, passando por palacetes e estufas abandonadas, lutando contra manequins vivos e se defrontando com o mesmo símbolo - uma mariposa negra - diversas vezes, nas mais aventurosas situações por entre os cantos remotos de Barcelona. Tudo isso pelos olhos de Oscar, o menino solitário que se apaixona por Marina e tudo o que a envolve, passando a conviver dia e noite com a falta de eletricidade do casarão, o amigável e doente pai da garota, Germán, o gato Kafka, e a coleção de pinturas espectrais da sala de retratos.

Em Marina, o leitor é tragado para dentro de uma investigação cheia de mistérios, conhecendo, a cada capítulo, novas pistas e personagens de uma intrincada história sobre um imigrante de Praga que fez fama e fortuna em Barcelona e teve com sua bela esposa um fim trágico. Ou pelo menos é o que todos imaginam que tenha acontecido, a não ser por Oscar e Marina, que vão correr em busca da verdade - antes de saber que é ela que vai ao encontro deles, como declara um dos complexos personagens do livro.


 *Livro do acervo pessoal da blogueira*

"Marina me disse um dia que a gente só se lembra do que nunca aconteceu. Ainda ia se passar uma eternidade antes que eu pudesse compreender essas palavras. mas é melhor começar do início. (...) Em maio de 1980, desapareci do mundo por uma semana. No espaço de sete dias e sete noites, ninguém soube do meu paradeiro. Amigos, colegas, professores e até a polícia saíram em busca do fugitivo que alguns já acreditavam estar morto ou perdido pelas ruas mal afamadas, mergulhando em alguma crise de amnésia"
A história de Marina é contada por Oscar Drai, de 15 anos. Oscar vive em um internato em Barcelona e, enquanto anda pelas ruas depois da escola, ele ouve uma melodia que o atrai para uma antiga mansão coberta de videiras. Atiçado por algo além da curiosidade, ele entra na mansão, fascinado pela voz que escuta. Assustado pelo proprietário, ele foge da velha casa, acidentalmente levando um relógio consigo. Quando ele retorna, ele conhece Marina, que vive sozinha na casa com seu pai pintor e um gato. Ele se encanta rapidamente por essa garota misteriosa e de uma beleza pura e leve.

"... Uma longa cabeleira cor de feno ondeava escorrendo o rosto. Fiquei ali imóvel, contemplando-a enquanto se aproximava, como um imbecil com ataque de paralisia..."
A medida que Oscar passa mais tempo com Marina e seu pai, ele percebe que suas vidas são marcadas pela trágica morte de sua mãe e uma doença atual. Marina encontra consolo na companhia de Oscar, e os dois se unem para explorar a cidade. Nas suas andanças, Marina leva Oscar a um cemitério, onde notam uma mulher misteriosa de véu preto que deixava flores em uma sepultura não identificada. Eles seguem esta mulher através das ruas sinuosas da cidade catalã (a linguagem descritiva de Zafón das estruturas arquitetônicas é um bônus que te amplia ainda mais a imaginação) , desvendando assim trinta anos de mistério e tragédia. À medida que os dois mergulham no mistério, eles descobrem uma longa teia de loucura e destruição que ameaça sua própria segurança.
"... Escondidos atrás das colunas do terraço, ficamos espiando a dama de negro. Ela avançava entre os túmulos como uma aparição, segurando uma rosa vermelha entre os dedos enluvados. A flor parecia uma ferida recém-aberta esculpida a punhal..."
É interessante perceber que os personagens principais (Oscar e Marina) não são apresentados minuciosamente desde o início, mas eles se desenvolvem com a história. Seus sentimentos também são deixados em plano maioria das vezes, deixando o mistério assumir todo o foco.

O autor é realmente bastante generoso nas passagens descritivas e ele fornece todos os detalhes necessários para inserir o leitor em cada cena. Eu pessoalmente acredito que esse é o principal fator que torna Zafón um grande escritor. Ele tem a medida exata para encaixar as paisagens e arquitetura na trama sem fazer com que fique enfadonho ou desnecessário.
"... Tinha retornado em sonhos aos túneis de Kolvenik. Seguia Marina sem conseguir alcançá-la até dar com ela coberta por um manto de mariposas negras. E quando elas finalmente levantaram voo, deixavam atrás de si apenas o vazio. Frio. Sem explicação...."
Marina foi o primeiro livro do Zafón que li, e é um dos meus favoritos. Parte horror, parte história de amor, parte mistério e muito mais, o autor cria um conto complicado e fascinante, com descrições vívidas de mansões em ruínas, ruas escuras, esgotos úmidos, vidas trágicas.

É um daqueles livros que devem ser devorados de uma única vez. Flui rapidamente. O estilo narrativo é simplesmente bonito. O suspense que é retido ao longo do livro é admirável e muitas vezes me achei realmente assustada! Para concluir, Marina logo se tornará um clássico moderno e não posso fazer elogios suficientes. Este livro vai te manter fascinado até a última palavra.



6 comentários

  1. Eu nunca li nada do autor e morro de vontade.
    Achei o enredo e a proposta desse livro incrível.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Livros assim são extremamente incríveis, indico para ti o livro "A Bailarina Fantasma" que além de possuir essa mesma temática, é muito lindo e maravilhoso <3

    ResponderExcluir
  3. Olá. Confesso que nunca li nada do autor, apesar de já ter ouvido muitos elogios. Achei a premissa da história interessante, algo que eu realmente gostaria de ler.
    Adorei a sua resenh e a delicadeza das imagens dos quotes.
    Parabéns, beijos

    https://almde50tons.wordpress.com

    ResponderExcluir
  4. Este livro tem uma ótima premissa, mas infelizmente já ouvi de outros leitores que a história sempre se move em torno dos mesmos lugares, com os mesmos fantasmas e o mesmo caminho.
    E que o final é muito triste, então não é uma leitura que me agradaria.
    Beijos
    www.manuscritoliterario.com.br

    ResponderExcluir
  5. Parece ser uma história bastante intensa. Parabéns pela sua resenha mas o livro não faz muito meu estilo. Ainda não o conhecia.

    ResponderExcluir
  6. Ache super interessante esse tipo de leitura que mistura vários elemento, é um livro bem próximo do meu gosto literário.

    ResponderExcluir