08 novembro 2017

Resenha: Indomável (Rock Star # 4) - S.C. Stephens

em 08 novembro 2017

10 comentários

Ser o baixista da banda de rock mais famosa do mundo proporcionou muitas vantagens para Griffin Hancock: uma bela casa, um carro veloz e, o mais importante, sua incrível esposa Anna. A única coisa que a fama não lhe trouxe foi um refletor focado apenas nele. Anna o aconselha a ser paciente, e diz que seu talento vai acabar por lhe trazer isso. Só que Griffin está farto de esperar pela oportunidade de brilhar por completo.
De forma inesperada para todos, Griffin toma uma decisão chocante e resolve assumir o maior risco de sua vida. Subitamente ele se vê debaixo de novos refletores, luzes, câmeras e... caos -- algo que acaba por levar ao limite o seu relacionamento com Anna. Sua compreensiva esposa sempre considerou sexy o comportamento imprevisível do marido, mas, de repente, sentimentos de dor começam a transparecer em seus olhos, e isso coloca a alma de Griffin em uma espiral de desespero e infelicidade.
Justamente quando o reconhecimento do seu talento está ao seu alcance, a pessoa que ele mais ama no mundo pode estar lhe escorrendo pelos dedos.

Adicione o livro ao Skoob 


*Livro recebido em parceria com a Editora Valentina* 

Desde que li a trilogia Rockstar, Griffin é um personagem que me chamou atenção, ás vezes de maneira meio nojentinha e às vezes como um personagem muito peculiar que me levava à altas risada das besteiras que falava e fazia. 
Quando soube do lançamento de Indomável fiquei bem curiosa pra ler mais sobre Griffin, conhecer seus sonhos, e principalmente sua personalidade peculiar ao fundo. Então antes de começar essa resenha é preciso ressaltar que vocês vão encontrar o mesmo personagem aqui: meio sem noção, nojentinho, que adora falar e pensar em sexo.  
"Os babacas estavam sempre pegando no meu pé, tentando me prender a um padrão que era quase impossível de manter. Por que eles não conseguiam me aceitar como eu era, em vez de tentar me obrigar a ser alguém que eles queriam que eu fosse? Não era assim que os amigos deviam proceder?"
A história começa algum tempo depois do último livro da trilogia Rock Star, Anna ainda está gravida do segundo bebê e a D-bags está fazendo o maior sucesso com o segundo álbum e se preparando para a turnê dele. Porém Griffin está cada dia mais desmotivado com a banda pois desde pequeno seu sonho era ser uma estrela do rock, ver mulheres gritando seu nome e toda essa loucura que ser um astro trás, e tudo que ele ganhou até hoje foi ver Kellan levando toda essa fama e ele ficando cada vez mais apagado pelo brilho do vocalista.

Ele se sente completamente frustado, afinal nem os fãs sabem direito quem ele é e o que ele toca, e seu sonho na verdade era tocar guitarra e não baixo, mas quem diz que a banda dá uma oportunidade para ele sobre isso? Matt, seu primo e guitarrista diz que ele nunca vai tocar uma guitarra ali, Kellan é o pacificador que nunca toma partido dessa briga, e Evan... Eles estão sempre implicando com o seu humor, suas piada, seu trabalho, pontualidade... Simplesmente não aceitam quem ele é e se recusam a deixa-lo crescer ali dentro, por isso Griffin acaba tomando uma decisão drástica: ele vai sair da banda e conseguir o seu brilho sozinho, sem depender de nada daquelas babacas.

Mas será que Griffin tem o esforço, carisma e talento para ser um rockstar sozinho? E como a sua família lidará com essa saída, visto que Ana é irmã de Kiera e ambas nunca ficaram tão longe assim?
"[...] eu estava definhando à sombra dos D-Bags e precisava me libertar disso."
Ler Indomável foi uma montanha russa de emoções, ao mesmo tempo que eu estava gargalhando de rir com as besteiras que Griffin falava ou das palhaçadas que fazia, meu coração ficava um pouco apertado por ele querer realizar seu sonho e não ter espaço, ficava feliz quando via o amor dele por sua família e com raiva também, afinal Griffin sabe ser um idiota às vezes e não tem como perdoar.

Vou começar essa resenha falando o quanto Anna é guerreira hahahaha. A gente conheceu A Ana lá no primeiro livro da trilogia, ela logo se pegou com Griffin e os dois tiveram seus momentos nos dois outros livros, mas a gente nunca tinha lido uma visão de como era o relacionamento dela com o pai da sua filha, do quanto ela realmente amava ele, se divertia e suportava algumas barras pesadas também. Eu adorei acompanhar a vida deles mais de pertinho, mas em alguns momentos tive muita dó dela, porque seu amor por ele era incondicional, e mesmo ele fazendo várias merdas e tomando várias atitudes erradas ela estava lá para apoiá-lo, porque o amava, porque era seu marido, seu amigo, o pai dos seus filhos e alguém que merecia sua confiança. Sinceramente EU não teria suportado metade das coisas pelas quais ela passou, mas a admirei muito mais depois de chegar ao final desse livro, porque ela se mostrou uma personagem muito fiel e batalhadora.

Não vou falar pra vocês da jornada que Griffin passa após sair do D-bags para não estragar as surpresas da leitura, mas acreditem: vocês não vão ficar entediados de maneira alguma. Acompanhar todos seus tropeços, conquistas, erros e vitórias foi muito bom, fez com que eu o admirasse um pouquinho mais e com que eu entendesse quem é o Griffin de verdade, além das piadas e do humor sexual. 
"Com Anna firmemente ao meu lado, não havia nada que eu não pudesse fazer. Eu pretendia dominar aquela cidade, era só uma questão de tempo."
Mas uma coisa que você não pode negar é que Griffin e Ama são quentes juntos. Eles são desinibidos, adoram sexo e não tem nenhuma vergonha disso, as cenas que protagonizam são pra lá de sensuais e da até uma invejinha da Ana em alguns momentos hahahah. E quando Griffin não está fazendo sexo é muito quente ver ele pensando no que quer fazer com Ana também, e até mesmo hilário porque a mente dele viaja mesmo nesse assunto hahaha. 

Eu adorei a pequena Gibson a primeira filha do casal, ver ela falando "porra" é extremamente engraçado, fora que ela ama demais o pai e sempre prefere o colo dele ao de qualquer outra pessoa, derrubando todos no caminho se for preciso pra chegar até ele. A relação dela com o outro bebê também não deixa de ser fofa, sinceramente amei o modo com que a autora captou a essência dessas crianças e ainda colocou a personalidade de seus pais de maneira sutil. 

A edição da Editora Valentina está linda, mesmo não mantendo a capa original acredito que essa tenha combinado perfeitamente com o personagem e com um momento importante da história. A diagramação interna é linda e cheia de detalhes fofos, e segue o mesmo padrão com as folhas brancas. 
"O problema era que eu não queria uma vida apenas "decente". Eu queria mais."
Em suma, Indomável é um ótimo livro. Foi bom conhecer mais de perto Griffin, ver o quanto ele é uma pessoa boa - mesmo que tenha sonhos exagerados ou que seja um pouco impulsivo ás vezes - e principalmente ver o quanto ele cresceu nessa história. Presenciar o amor dele por Ana e seus filhos, o amor pela sua família e seus irmãos e principalmente o amor dele pela música, que é o que rege toda essa série foi brilhante, e eu terminei o livro feliz por ter acompanhado toda essa evolução de um personagem tão doidinho mas que tem um coração tão bom.
Se você leu a série e conhece o personagem recomendo muito a leitura, para um primeiro contato talvez você não vá gostar tanto de Griffin, mas insista que até o final ele vai te ganhar com certeza. 


10 comentários:

  1. Olá, como vai?
    Eu não tive uma boa experiência com a escrita da autora, por isso tenho um pouco o pé atrás com os livros dela. Não consegui passar do primeiro livro da trilogia Rockstar, e mesmo assim foi uma leitura levada na base da raiva. Então, acho que esse livro não é para mim! No entanto, tenho uma amiga que virou super fã de Rockstar, ao contrário de mim ela amou, e, por isso, tenho certeza que ela vai adorar esse também.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Eu li apenas o primeiro livro da serie e parei ali mesmo porque foi um livor que não agregou nada pra mim. Um triangulo amoroso feito de idiotas porque ali ninguém se salvava e tantas cenas sensuais repetitivas que nossa, morri de chatice coma leitura. Por isso, meu interesse é zero pra ver o ponto de vista do cara, porque não me importei nenhum pouco com ele, pra começar, péssimo amigo!!!
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oie!
    Ah, não curto esses clichês de trio amoroso, com cenas hot. Acho beeeeem tedioso, nada acontece muito além disso. Passo a fica, por não curtir o gênero e a narrativa não me chamou muito a atenção, apesar de eu amar narrativas que incluam música.

    ResponderExcluir
  4. Oie!
    Acredita que ainda não li nenhum livro dessa série?
    Tenho todos, porque adoro um rock star, mas ainda não parei para ler kkkkk Mas agora penso em fazer uma maratona e ler todos de uma vez.
    Adorei muito a sua resenha, fiquei inspirada para ler.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  5. Oi, Sabrina!
    Eu não li a série e, apesar de esse ser um livro sobre outro personagem, ainda tenho dúvidas se devo ler ou não. Gostei da sua resenha, a premissa parece muito melhor do que a trilogia da série.
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  6. Ola lindona já estou com esse livro e sua resenha me deixou ainda mais curiosa para conhecer o protagonista e Ana essa guerreira por aguentar pelo jeito muita besteira dele. Não li a trilogia pois a Kiera não me desce. Vou começar essa semana. beijos

    Joyce
    Livros Encantos

    ResponderExcluir
  7. Oii, tudo bem? Já fui super fã do gênero e essa série ficou um bom tempo nos meus desejados, mas não tive a oportunidade de ler. Hoje a premissa não me desperta tanto a curiosidade, mas acho que darei uma chance aos livros dessa autora no futuro :D Gostei da resenha!!
    Beijos
    http://umaleitoravoraz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá,

    Griffin sem sombra de dúvidas é um personagem interessante, como você mesma disse ele se dividi entre o nojento e o divertido, para mim o divertido ganha. Nunca consegui levar esse personagem a sério, e acredito que esse livro irá mudar um pouco essa minha visão do personagem, estou bem curiosa para saber como tudo terminará.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Eu amo essa série, li os três primeiros livros e quando vi Griffin pela primeira vez, sabia que ele merecia seu próprio livro, ele é um personagem que merecia esse aprofundamento. A única coisa que me incomodava eram as páginas brancas, uma pena. Eu gostaria que essa autora tivesse mais reconhecimento, essa série é incrível e o mundo merece lê-las.

    ResponderExcluir
  10. Oie, tudo bem?
    Eu até hoje nunca li nada da triologia, na verdade era até desconhecida para mim, já que foge um pouco do meu gênero literário preferido. Sei que posso estar perdendo histórias incríveis e admiro muito quem gosta de ler trilogias assim, mas realmente não me pegam haha
    Parabéns pela sua resenha, e seu blog é uma graça <3

    ResponderExcluir

TOPO